Brasil: será que o Vice-Presidente não governa?!?Acho que governa sim…

Como um pouco de cultura é sempre bom, e já estou de saco cheio de ouvir de amigos que quando votam, não se preocupam com o vice, porque ele não governa…Resolvi, escrever estas mal traçadas linhas sobre o Sucessão Presidencial Brasileira, pois vice Governa sim!!!

Ao todo, o Brasil teve 37 presidentes/11 Vices que assumiram o poder. O primeiro presidente do Brasil foi o Marechal Deodoro da Fonseca. Até hoje a maioria dos presidentes foram homens; com exceção de Dilma Vana Roussef, a 36ª pessoa a ocupar o Poder como Presidente da República.
E, somente da história recente dos tempos pós ditadura, tivemos 5 Presidentes eleitos, sendo que 3 deles não terminaram seus mandatos, sendo substituídos pelos vices…E, nosso primeiro presidente, também foi sucedido por seu vice.
Bem chega de blá blá blá e vamos aos fatos históricos:
  • Deodoro da Fonseca – Militar – 1889-1894 – Militar – Foi sucedido por Floriano Peixoto (Militar) que era seu vice e assumiu o cargo de presidente em 1891.
  • Prudente de Moraes – Partido Republicano Federal – 1894-1898 – Vice: Manuel Vitorino (Partido Republicano Federal)
  • Campos Sales – Partido Republicano Paulista – 1898-1902 – Vice: Rosa e Silva (Partido Republicano Federal.
  • Rodrigues Alves – Partido Republicano Paulista – 1902-1906 – Vices: Silviano Brandão e Afonso Pena (Partido Republicano Mineiro)
  • Afonso Pena – Partido Republicano Mineiro – 1906-1910 – Vice: Nilo Peçanha (Partido Republicano Fluminense – Afonso Pena foi sucedido por Nilo Peçanha em 1908.
  • Hermes da Fonseca – Partido Republicano Conservador – 1910-1914 – Vice: Venceslau Brás (Partido Republicano Mineiro)
  • Venceslau Brás – Partido Republicano Mineiro – 1914-1918 – Vice: Urbano Santos
  • Rodrigues Alves – Partido Republicano Paulista – 1918-1922 – Morreu antes de tomar posse – Vice: Delfim Moreira (Partido Republicano Mineiro) – 1918-1919
  • Epitácio Pessoa – Partido Republicano Mineiro – 1919-1922 – Vices: Delfim Moreira (Partido Republicano Mineiro) e Bueno de Paiva
  • Artur Bernardes – Partido Republicano Mineiro – 1922-1926 – Vices: Urbano Santos e Estácio Coimbra
  • Washington Luís – 1926-1930 – Partido Republicano Paulista – Vice: Fernando de Melo Viana (Partido Republicano Mineiro)
  • Júlio Prestes – Partido Republicano Paulista – 1930-1934 – Não assumiu em razão do Golpe da Revolução de 1930 – Vice: Vital Soares
  • Junta Governativa Provisória: 3 Militares – 1930 (10 dias)
  • Getúlio Vargas – Aliança Liberal – 1930-1945 – Sem Vice
  • José Linhares – Sem Partido – 1945-1946 – Sem Vice
  • Eurico Gaspar Dutra – Partido Social Democrático – 1946-1951 – Vice: Nereu Ramos (Partido Social Democrático)
  • Getúlio Vargas – Partido Trabalhista Brasileiro – 1951-1956 – Vices: Café Filho (Partido Social Progressista – 1954-1955), Carlos Luz (Partido Social Democrático – 1955) e Nereu Ramos (partido Social Democrático – 1955-1956). Getúlio Vargas, em razão do seu suicídio foi sucedido por seus 3 vices.
  • Juscelino Kubitschek – Partido Social Democrático – 1956-1961 – Vice: João Goulart (Partido Trabalhista Brasileiro)
  • Jânio Quadros – Partido Trabalhista Nacional – 1961-1966 – Vices: Ranieri Mazzilli (Partido Social Democrático 1961) e João Goulart (Partido Trabalhista Brasileiro – 1961-1964).
  • Ranieri Mazzilli – Partido Social Democrático – 1964
  • Humberto Castelo Branco – Aliança Renovadora Nacional (ARENA) 1964-1967 – Vice: José Maria Alkmin
  • Artur da Costa e Silva – Aliança Renovadora Nacional (ARENA) 1967-1969 – Vice: Pedro Aleixo (Aliança Renovadora Nacional (ARENA)). Pedro Aleixo foi impedido de tomar posse.
  • Junta Governativa Provisória – Militares – 1969
  • Emilio Garrastazu Médici – Aliança Renovadora Nacional (ARENA) – 1969-1974 – Vice: Augusto Rademaker (Aliança Renovadora Nacional (ARENA))
  • Ernesto Geisel – Aliança Renovadora Nacional (ARENA) – 1974-1979 – Vice: Adalberto Pereira dos Santos (Aliança Renovadora Nacional (ARENA))
  • João Figueiredo – Partido Democrático Social – 1979-1985 – Vice: Aureliano Chaves (Partido Democrático Social)
  • Tancredo Neves – Partido do Movimento Democrático Brasileiro – 1985-1990 – Vice: José Sarney (Partido do Movimento Democrático Brasileiro – 1985-1990). Tancredo Neves morreu antes de assumir, sendo sucedido por seu Vice José Sarney.
  • Fernando Collor – Partido da Reconstrução Nacional – 1990-1995 – Vice: Itamar Franco (Partido do Movimento Democrático Brasileiro – 1992-1995). Fernando Collor renunciou e foi sucedido por seu vice.
  • Fernando Henrique Cardoso – Partido da Social Democracia Brasileira – 1995-2003 – Vice: Marco Maciel (Partido da Frente Liberal)
  • Fernando Henrique Cardoso – Partido da Social Democracia Brasileira – 1995-2003 – Vice: Marco Maciel (Partido da Frente Liberal)
  • Luiz Inácio Lula da Silva – Partido dos Trabalhadores – 2003-2011-  Vice: José Alencar (Partido Liberal e Partido Republicano Brasileiro)
  • Dilma Rousseff – Partido dos Trabalhadores – 2011-2018 – Vice: Michel Temer ((Partido do Movimento Democrático Brasileiro – 2016-2018)

 

Por tudo isto minha gente querida, nas próximas eleições, para não ficar de chorumelas, preste muita atenção ao Vice do seu Candidato, pois vice não sever apenas para trazer 35 milhões de votos e te fazer ganhar a eleição, ele tem suas próprias visões políticas e pode te surpreender quando assume o posto que não iria assumir!!!

Anúncios

Feriados/Dias Festivos: Com qual dos 3 feriados tipica e verdadeiramente brasileiros, você (Brasileiro) se identifica?!?hahaha

Entra ano e sai ano e, quando chegamos ao último dia de outubro, a polêmica é sempre mesma: por que devemos deixar nossas crianças aproveitarem o Halloween?!?Nem é um feriado brasileiro, e bla,bla, bla…

Então para desmistificar tal polêmica resolvi lançar o desafio: vc Brasileiro, que se acha tão patriota e acha que não devemos comemorar o Halloween (por ser uma data festiva americana, hahaha, só aí vc já demonstra sua ignorância), se identifica com qual  dos 3 feriados nacionais tipica e verdadeiramente brasileiros?


1 de janeiro – Dia da Fraternidade Universal/Confraternização Universal/Dia Mundial da Paz/Dia Internacional da Paz:

  • 1910 – PORTUGAL
  • 1935 – BRASIL
  • 1967 – Dia Mundial da Paz – VATICANO
  • 1981 – Dia Internacional da PAZ – ONU

CARNAVAL – Móvel:

  • História do Carnaval remonta à Antiguidade, tanto na Mesopotâmia quanto na Grécia e em Roma.
  • O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XX. A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Santa Cruz de Tenerife, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspiraram no Carnaval parisiense para implantar suas novas festas carnavalescas. 

PÁSCOA – Móvel:

  • A sua origem está contida nos rituais pagãos e remonta a séculos antes do nascimento de Cristo.
  • A Páscoa também já era celebrada pelos judeus antes do nascimento de Jesus mas sem qualquer sentido religioso. Era festejada como o dia da liberdade, após anos de escravidão no Egipto.

  • Já para a civilização cristã, a palavra “Páscoa” tem origem na palavra hebraica “Pessach” que significa “passagem” pois celebra o renascimento de Jesus Cristo e sua ascensão ao céu dois dias depois da sua morte na cruz (sexta-feira santa).

  • A Lebre da Páscoa (para nós Coelho) foi escolhido pelos povos anglo-saxões da era pré-cristã como a figura representativa da fertilidade, devido à sua característica de se reproduzir rapidamente e em grandes quantidades.

  • Ovos de Páscoa: Sabe-se que os sacerdotes druidas escolheram a imagem do ovo como seu símbolo. Os chineses tinham o hábito de pintar ovos de pata para celebrarem a vida que deles nasce.No antigo Egito, Pérsia, Grécia e Roma os ovos eram dados como presente para celebrar a chegada da Primavera e eram cozidos e comidos durante as celebrações. Estas culturas consideravam o ovo como símbolo do universo, como o princípio da vida.

    No entanto a relação do ovo com a Páscoa só chegou à Europa por volta do século XV. Supõe-se que foram os missionários e os cruzados que trouxeram para a Europa Ocidental o costume de se usar os ovos como presentes de Páscoa, que naquela altura eram pintados de vermelho para representar o sangue de Cristo. Os cristãos rapidamente adotaram essa tradição e o ovo passou assim a ser o um dos símbolos da época da ressurreição de Jesus Cristo.Por volta do século XVII aparecem os primeiros ovos de chocolate.


CORPUS CHRISTI – Móvel:

  • A Festa de Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV com a Bula “Transiturus” de 11 de agosto de 1264, para ser celebrada na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes.

21 de ABRIL – Tiradentes/Inconfidência Mineira 


1 de maio – Dia do Trabalho:

  • 1889 – FRANÇA
  • 1924 – Brasil

7 de SETEMBRO – Dia da Pátria – Proclamação da Independência


12 de OUTUBRO – NOSSA SENHORA APARECIDA – PADROEIRA DO BRASIL

  • 1492 – Descoberta da América por Cristóvão Colombo/Dia da Hispanidade
  • Columbus Day – Estados Unidos
  • Discovery Day – Bahamas
  • Día de la Raza / Día de Hispanidad – América Latina
  • Fiesta Nacional – Espanha
  • Día del Respeto a la Diversidad Cultural – Argentina
  • Día de las Américas – Uruguai
  • Ação de Graças – Canadá

31 de Outubro – Halloween/Samhaim:

  • Contrariamente a alguma opinião popular, a origem do Halloween pouco tem a ver com os Estados Unidos.Foi há cerca de uns 2000 anos atrás que o povo celta de França e das Ilhas Britânicas começou com a tradição do Halloween.Para esses povos o último dia de Outubro era comemorado como o feriado de Samhain, pois era considerado como o último dia de Verão e o início do Ano Novo Céltico.

  • Essa comemoração celebrava também outros aspectos da sociedade de então, tais como o final da última colheita do ano, o início do armazenamento de alimentos para o inverno, o retorno dos rebanhos dos pastos e o período de renovação das suas leis. Esse feriado era também conhecido como La Samon e como Festa do Sol.

  • Curiosamente o nome que perdurou até hoje foi o nome usado pelos escoceses, ou seja, Hallowe’en. A principal lenda celta ligada a esta festividade, relatava que naquele dia todos os espíritos das pessoas que haviam morrido durante esse ano, voltariam em busca de corpos vivos para os possuírem e assim viverem no ano seguinte.Esta crença tinha por base o fato do povo celta acreditar em todas as leis de espaço e tempo, pelo que achavam que era permitido que os mundos dos vivos e dos mortos se misturassem um com o outro, até porque, para eles, era considerada como a única forma de existência de vida após a morte. Mas, como é natural, os vivos não queriam ser possuídos pelos espíritos dos mortos e assim, quando chegava a noite do dia 31 de Outubro, apagavam as tochas e as fogueiras das suas casa para que elas se tornassem frias e desconfortáveis e vestiam fantasias para de seguida desfilarem de forma ruidosa pelas ruas, sendo tão destrutivos quanto possível, com o único intuito de assustarem os espíritos que buscavam corpos para possuir.

  • A designação de “Dia das Bruxas” nasceu nos Estados Unidos, quando em 1840 os costumes do Halloween foram para lá levados pelos emigrantes irlandeses.A engraçada brincadeira de “doces ou travessuras” foi adaptada de um costume europeu do século IX, chamado de “souling” (almejar).Os cristãos tinham o hábito de, no feriado religioso de 2 de novembro, conhecido como o Dia de Todos os Santos ou Dia das Almas, andarem de terra em terra a pedir “soul cakes”, (bolos de alma), que nada mais eram que pequenos quadrados de pão com groselha. E para cada bolo de alma oferecido, a pessoa que o recebia rezava uma oração por um familiar morto do doador. E porque se fazia isto? Porque se acreditava que com esta prática as almas que ainda permaneciam no limbo eram ajudadas a ir para o céu.


1 de Novembro – Dia de Todos os Santos:

  • Essa celebração teve origem em Antioquia no Oriente no século IV, e foi introduzida no Ocidente em Roma no século VI. A origem da festa remonta ao século IV. Em Antioquia celebrava-se uma festa por todos os mártires do primeiro domingo depois de Pentecostes. A celebração foi introduzida em Roma na mesma data, no século VI. No ano de 835 esta celebração foi transferida pelo papa Gregório IV para 19 de Novembro.
  • É também neste dia que logo pela manhã se juntam grupos de crianças que vão batendo de porta em porta pedindo às pessoas que lhes dêem os “santinhos” pela alma das pessoas que já morreram. As crianças levam nas mãos uma bolsa de pano e quando fazem o pedido às pessoas, elas dão o que querem ou podem, como por exemplo: dinheiro, maçãs, castanhas, rebuçados, nozes, bolos, chocolates etc.

    Leia mais em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/calendario-comemorativo/dia-de-todos-os-santos
    Copyright © Portal São Francisco


2 de Novembro Dia de Finados/Dia dos Fiéis Defuntos:

  • 998 – FRANÇA.
  • No dia 02 de novembro, na maior parte dos países ocidentais, ocorre um dos mais importantes rituais religiosos da tradição cristã católica, isto é, o Dia de Finados.

15 de Novembro – Proclamação da República


25 de Dezembro – NATAL:

  • A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano 354 d.C.

    Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao “nascimento do deus sol invencível”, que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.

  • Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs. Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colônias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados.
  • Árvores de Natal e Presépios: Acredita-se que esta tradição começou em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele utilizou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.Esta tradição foi trazida para o continente americano por alguns alemães, que vieram morar na América durante o período colonial. A tradição de montar presépios teve início com São Francisco de Assis, no século XIII.
  • Papai Noel: estudiosos afirmam que a figura do bom velhinho foi inspirada num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d. C. O bispo, homem de bom coração, costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas. Foi transformado em santo (São Nicolau) pela Igreja Católica, após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele.A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Nos Estados Unidos, ganhou o nome de Santa Claus, no Brasil de Papai Noel e em Portugal de Pai Natal. Até o final do século XIX, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom ou verde escura. Em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou uma nova imagem para o bom velhinho. A roupa nas cores vermelha e branca, com cinto preto, criada por Nast foi apresentada na revista Harper’s Weeklys neste mesmo ano.Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com o mesmo figurino criado por Nast, que também eram as cores do refrigerante. A campanha publicitária fez um grande sucesso, ajudando a espalhar a nova imagem do Papai Noel pelo mundo.

31 de Dezembro – ANO-NOVO:

  • Os romanos foram os primeiros a estabelecerem um dia no calendário para a comemoração desta grande festa (753 a.C. – 476 d.C.) O ano começava em 1º de março, mas foi trocado em 153 a. C. para 1º de janeiro e mantido no calendário juliano, adotado em 46 a. C. Em 1582 a Igreja consolidou a comemoração, quando adotou o calendário gregoriano.

 

 

 

Multisom/Panasonic: Vendendo Gato por Lebre!!!!

Se você não quer comprar gato por lebre, fica a dica: pense duas vezes antes de comprar produtos na Multisom!!!

Hoje, nossa querida e muito usada TV Samsung 32″ Full HD deu o último suspiro, depois de nos despedirmos dela, nos dirigimos ao Barra Shopping Sul para comprarmos uma nova TV Full HD, que devido a configuração de nosso quarto continuaria sendo uma de 32″.

Fomos a várias lojas e acabamos por encontrar uma em promoção na Multisom:

22815566_1504176209667603_1966758868610707579_n

Fechamos negócio, mas infelizmente a loja em questão não tinha a TV a pronta entrega na unidade do Barra, então nos dirigimos até a Unidade do Bourbon Shopping Ipiranga para pegá-la, só nesta brincadeira gastamos R$17,00 de estacionamento, mais a gasolina e o nosso tempo.

Quando chegamos em casa e realizamos o unbox, tivemos a ingrata surpresa: a TV não era Full HD (como anunciado na loja), era apenas HD (conforme especificações técnicas do seu manual). Ligamos para a loja e eles disseram que quem cola o Marketing no produto é a própria PANASONIC.

Pagamos à vista, ligamos para a Loja e esta pôs a culpa na Panasonic, que em uma gravação (no 0300) que nem chega até o final, manda o cliente entrar em contato com a empresa via Fale Conosco ou por email. A Loja, até disse para irmos lá se quiséssemos o reembolso imediato, mas se recusou terminantemente a pagar pelo nosso estacionamento…Então agora, só nos resta aguardar para ver se irão nos reembolsar na segunda e  mandar alguém aqui em casa retirar o produto.

E, enquanto isto, estamos sem TV.

É, nestas horas, que invejo quem mora em países civilizados, onde o cliente simplesmente chega com o produto e recebe reembolso total sem nenhuma discussão, onde até mesmo em alguns casos, algumas marca, aceitam receber o produto antigo e usado (se este deu algum problema) de volta e dão desconto na compra de um modelo novo. Sabe quando que isto acontecerá na Terra Brasilis, neste Brasil que alguns ainda teimam em chamar de país?!?NUNCA!!!

Procurando por Qualificação Profissional?

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Como vai a sua vida profissional?Meio parada? Precisando de uma atualização?

Sim, sei que no mundo em que vivemos, com cada vez mais trabalho e menos tempo disponível, tonar-se as vezes complicado ter tempo disponível para trabalhar e ainda se atualizar!

Pare e respire fundo, você alguma vez já pensou em realizar uma atualização profissional online através de uma plataforma EAD (de ensino à distância com certificação gratuita)?

Recentemente, em minha pesquisas na internet me deparei com uma plataforma de cursos online bem básica: Cursos Gratuitos com Certificado.

Pontos positivos do site:

  1. Possui possui algumas matérias sobre vida profissional (vestibular, Bolsas de Estudo no SENAC, entre outras) e também com algumas dicas de mercado de trabalho bem úteis (concurso públicos, Provas da OAB, Qualificação Profissional no Exterior, Dicas de Português…).
  2. Disponibiliza cursos destinados a profissionais empreendedores que já atuam em negócio próprio ou que pretendem abrir um negócio seu. E, também sobre a Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa.

Pontos negativos do site:

  1. Em, um primeiro momento, ele parece bem confuso, com muitas propagandas e anúncios de produtos que não tem a ver diretamente com o conteúdo do site, a meu ver precisa ter um layout mais limpo e organizado. E, também, um área destinada especificamente. O Layout precisa ser melhorado e ser apresentado de uma forma mais limpa.
  2. Não há uma área destinada especificamente à apresentação dos cursos e como se dará a inscrição e a posterior certificação. Havendo apenas um botão de Faça a sua pergunta, que remete o usuário a outro site que imediatamente requer que o interessado se matricule para fazer alguma pergunta.

Por tudo isto, digo e repito, a meu ver o site, é uma plataforma básica e pouco competitiva, que precisa, além de uma mudança completa de Layout, oferecer mais opções de cursos de qualificação (em diversas áreas de conhecimento)!

 

 

 

É Duro Viver no Brasil: 48 Razões pelas quais Gringos e Brasileiros não voltariam a viver no Brasil!!!

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Recentemente, um texto de 2012, elaborado por um americano que morou em SP por três anos, voltou a ser alvo de pol^mica no Facebook. E, pasmem vcs meus queridos leitores, que apesar de quase todos os motivos serem verdadeiros e serem alvos de nossas reclamações, muitos brasileiros se sentiram ofendidos pelo fato de um gringo estar esfregando na nossa cara a verdade.

Por tudo isto decidi fazer uma pesquisa rápida e descobri que além deste gringo, outros gringos de outros países reclamam das mesmas coisas e que também brasileiros, que hoje já não mais vivem por aqui também os elencam como motivos para não voltarem. E, que cerca de 75% dos brasileiros que leram a lista concordam com ela, sim foram feitas enquetes).

Segue abaixo a lista de motivos, assim distribuída: em preto, os motivos dos gringos; em negrito, os motivos dos brasileiros; e, em vermelho, os motivos que ambos concordam.

  1. Brasileiros nunca admitem que o país é um lugar ruim para viver. No Brasil se paga muito mais e se trabalha muito mais para atingir um padrão de vida mais simples de se atingir em outros países. (aqui eu sou a exceção, pois concordo que aqui seria um lugar ótimo para viver, se as regras de convivência e as leis fossem respeitadas).
  2. Brasileiros não têm nenhuma consideração por aqueles que não fazem parte de seu círculo social. Por exemplo, um vizinho que toca música alta durante toda a noite. Mesmo se você for lhe pedir educadamente para abaixar o volume, ele vai mandar você “tomar no **”.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Passava noites sem dormir porque o vizinho fazia aniversário e a festa vazava para o prédio todo. “Relaxa, merrmão, é só uma vez por ano”, justificava o merrmão. Mas, vem cá, conta comigo: uma vez por ano vezes 100 apartamentos é igual a… Enfim, todo mundo era bonito, todo mundo era bacana, todo mundo era dourado – e ninguém por ali tinha qualquer senso de comunidade ou respeito pelo outro. Todo mundo tinha todos os direitos — e nenhum dever.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Era impossível para mim viver num lugar onde o contrato social foi rasgado. Em nosso país, se estabeleceu há muito tempo (desde sempre?) a ideia do cada um por si. Isso torna, no limite, a vida social impossível. E o dia-a-dia, em todos os níveis, um salve-se-quem-puder.
    3. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: “Os americanos querem o melhor para o país deles. O brasileiro quer o melhor para ele”. Os americanos pensam na sociedade, os brasileiros pensam em si mesmos e o resto que se…dane.” As pessoas respeitam umas às outras no trânsito ou na calçada. Ninguém incomoda o sono de ninguém. Os vizinhos respeitam uns aos outros e se não respeitarem a lei persegue e pune os transgressores, sem sombra de dúvidas. Tem festa sim mas tem lugar e hora para isso sem contar a organização.
  3. Brasileiros querem ganhar vantagem em tudo. É como um “instinto de sobrevivência”. O melhor exemplo é no trânsito. Se eles tiverem uma forma de ultrapassar você, assim o farão. E, o melhor exemplo disto são os motoboys, os motociclistas acreditam que têm prioridade sobre todos outros. Não respeitam semáforos fechados, passam entre os carros sem cuidado, não comunicam nada. É como eles se fossem os reis da cidade..
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: De que adianta um lugar ter sol-e-mar-e-gente bonita se o cara do seu lado ocupa um espaço (tanto físico quanto social) muito maior do que precisa, não dá a mínima para você ou para os outros à volta, emporcalha tudo, fala os berros, quer sempre levar vantagem em tudo, te passa a perna…
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Entrou na loja? Atenção: testa bem porque tem produto que não funciona. (Depois se vira para resolver com o fabricante…) Pagou em dinheiro? Confere o troco porque a chance é grande de vir faltando. Passou o cartão? Fica de olho porque a máquina pode ser “chupa-cabra”.
    3. Declaração de uma americano que mora no Brasil desde 2013: Zero, absolutamente zero autoconsciência espacial. Parando carros em faixas ativas, ficando na calçada olhando o celular durante a hora de rush, a inabilidade de seguir numa linha reta. Isso é a realidade e é assustadora.
  4. Brasileiros não respeitam o meio ambiente. Eles jogam lixo na rua, na natureza… em qualquer lugar. As ruas são realmente sujas. Os recursos naturais, abundantes, estão sendo desperdiçados. (Isto, sem falar das praias no verão que viram um lixão a céu aberto).
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: O problema do lixo é realmente enorme. Claro que é politicamente complicado, mas não faz sentido jogar plástico na rua ou no rio do bairro onde você mora, ou qualquer outro lugar. Se existe um cesto de lixo, pelo menos o use.
  5. Brasileiros toleram tranquilamente corrupção nos negócios e no governo. E a população continua reelegendo as mesmas pessoas. (vide que muita gente continuará votando 13 nas próximas eleições).
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013:  Existe adoração demais por líderes individuais que devem salvar o povo. Seja Lula, Jair Bolsonaro, o Papa, pastores evangélicos, tantas pessoas elevadas à categoria de herói vão vai, inevitavelmente, trair ou falhar.
  6. Brasileiras são excessivamente obcecadas com seus corpos e muito competitivas uma com as outras.
    1. Declaração sobre o Brasil de uma brasileira que mora na Espanha: “No Brasil para eu ser feliz, tinha que está me apresentando no Shopping e cada dia com uma roupa, aqui eu aprendi que a felicidade não está nesses lugares e que a auto-estima não está diretamente relacionada com ir ao salão arrumar o cabelo, fazer as unhas, se maquiar. Você sabe que no Brasil eu não tinha uma vida de luxo, um padrão alto, que eu me incluísse como uma patricinha, mas ao passar tanto tempo fora e observar os valores sociais, econômico e culturais do lugar em que, hoje eu vivo, a percepção de vida mudou e mudou muito”
  7. Brasileiros, principalmente homens, são altamente propensos à traição. A menos que nunca saiam de casa, as chances são grandes. (pesquisas conformam isto).  E isto não é apenas um estereótipo. Homens na sociedade brasileira são condicionados a acreditar que eles são mais “viris” por saírem com várias mulheres.
  8. Brasileiros não ligam de expressar opiniões negativas a respeito de outras pessoas publicamente, nem se importam de ferir o sentimento de alguém.
  9. Brasileiros, especialmente os que prestam serviços, são geralmente malandros, preguiçosos e atrasados.
  10. Os brasileiros vivem em um sistema de classes. Os ricos geralmente são muito arrogantes e insensíveis, e acham que estão acima do sistema. Já os pobres ganham tão pouco que não conseguem sair da pobreza. Isso é motivo, muitas vezes, para entrarem no crime ou se tornarem preguiçosos com relação ao trabalho, já que não têm esperanças de fazer um bom trabalho.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma brasileira que mora na Espanha: Aqui em Barcelona, eu moro no mesmo edifício que o motorista do caminhão de lixo, almoço no mesmo restaurante da moça que faz  a faxina do meu prédio, do rapaz que limpa a piscina, e é super normal, pois a diferença de “classe” é estupidamente menor. Aqui as pessoas andam descalça, descabeladas, com bobes no cabelo e ninguém se preocupa, as pessoas se vestem como querem e ninguém critica.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um brasileiro que mora na Austrália: o custo de vida na Austrália é alto, mas a diferença salarial não é astronômica como no Brasil e enquanto uma pessoa que trabalha como assistente de marketing em um escritório pode ganhar $25,00 dólares por hora, o faxineiro no mesmo escritório pode ganhar o mesmo.
    3. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Não é à toa que um carteiro vive aqui como uma pessoa rica vive no Brasil. Tem casa de 250m² com ar condicionado e piscina em um bairro arborizado. É óbvio que isso não é a realidade de 100% dos habitantes desse país mas pelo menos aqui isso é possível, no Brasil não.
  11. Brasileiros constantemente interrompem o outro para poder falar. Tentar conversar é como uma competição para ser ouvido. (é só tentar assistir qualquer debate na TV ou qualquer programa de entrevistas que isto fica evidente).
    1. Declaração de uma americano que mora no Brasil desde 2013: Concordando com aquela lista original, é muito comum ser interrompido quando está falando. É grosso e ninguém reconhece que faz.
  12. A polícia brasileira é ineficaz quando se trata de cumprir leis e proteger a população, como cumprir a legislação de trânsito, ou encontrar e prender ladrões. As leis existem, mas ninguém as endossa. As pessoas vivem com medo, constroem muros ao redor de casa, ou pagam altas taxas para morar em condomínios fechados.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: De que adianta ter os amigos e a família por perto, e viver próximo das suas raízes, falando a sua língua materna, se todo dia você sai de casa sem saber se vai voltar – se as ruas da sua “cidade civilizada em um país democrático” respira um clima de guerra civil, expresso em um número de mortes semelhante ao de regiões deflagradas na África ou do Oriente Médio?
    2. Declaração sobre o Brasil, de um brasileira que mora na Espanha:  É que depois de aprender a cruzar uma rua pela faixa de segurança sem nem precisar olhar para os lados ou me acostumar a voltar para casa a pé às 3 da manhã, desfrutando do cheiro das flores e do silêncio da madrugada sem precisar olhar para trás, pensa um dia em regressar à sua pátria amada? Quem depois de dar risada (ou se irritar, no meu caso) com as crianças de uniforme do colégio jogando bola em plena praça central, de se habituar a pegar a sua bicicleta e fazer um piquenique no parque público ou de ver uma roda de velhinhos e velhinhas tomando cerveja (sem álcool) felizes e cheirosos no mesmo bar que a garotada de 20 anos, pode cogitar a hipótese de não viver mais essas coisas, aparentemente tão banais, mas que no Brasil parece que há muito tempo não existe?”
    3. Declaração sobre o Brasil, de um brasileiro que mora na Austrália: Já falei diversas vezes aqui sobre a segurança que se tem na Austrália, mas o que percebi é que segurança não deve ser um luxo, mas algo disponível a todos. Só notei o quanto a Austrália é segura quando voltei em férias para o Brasil. Depois de um tempo aqui você vai se acostumando tanto com a segurança de abrir um Macbook no ônibus ao caminho para o trabalho, tirar um iPhone do bolso no centro da cidade sem ter qualquer tipo de preocupação, andar de carro às 2 da manhã de janela aberta e ainda parar em frente a praia para curtir a paisagem que você acaba nem dando valor.
    4. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Os últimos anos que passei no Brasil foram muito difíceis para mim. Já não suportava mais a violência da cidade de São Paulo. O Brasil já é o 6º país mais violento do mundo e a moda agora em SP é ter carro à prova de balas, acredita? Quando eu conto isso aqui as pessoas pensam que eu estou brincando. Aqui nos USA,onde eu moro, as janelas da minha casa não têm grades e eu posso ver o gramado das casas ao redor. Nos finais de semana os carros ficam abertos em frente às casas e os pedestres sequer olham no seu interior. Eu ando pelas ruas sem medo, sem ter que olhar para trás ou certificar-me que minha carteira está no bolso da frente e o mais impressionante, não tenho medo da polícia.
    5. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Nasci e cresci em São Paulo e nunca percebi o quanto  me incomodava com a questão da insegurança até eu ser exposta a uma realidade completamente diferente. Aqui na Califórnia são raros os casos de assalto a mão armada, as pessoas saem com o computador na rua sem dó, e o que eu acho mais fantástico, existe uma cultura de acampar em lugares remotos sem medo.
  13. Brasileiros tornam tudo inconveniente e difícil. Nada é pensado para facilitar a vida do cliente. Além de terem uma alta tolerância com uma burocracia desnecessária e redundante.
    1. Declaração de um americano que vive no Brasil desde 2013: A burocracia. Gente, posso escrever um livro sobre esse problema. Todos sabem que existe, ninguém sabe como resolver, então o povo aceita sem reclamar. Essa abordagem é mais saudável psicologicamente, mas é também super frustrante.
  14. Brasileiros toleram impostos altos e taxas de importação que tornam tudo (especialmente produtos de casa, eletrônicos e carros) inacreditavelmente caros. E para os empresários, seguir as regras e pagar as taxas tornam quase impossível fazer lucro.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Quando você visita os EUA percebe que tudo aqui tem qualidade e preço justo. O governo brasileiro corrupto que coloca altas cargas tributárias nos ombros dos brasileiros e o próprio brasileiro que por ganância quer ganhar 100% ou mais de lucro em qualquer produto ou serviço. A cultura do “levar vantagem” me mata!
    2. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: mesmo pra mim que nunca fui das mais consumistas a oferta de produto e o preço da maioria das coisas é tão diferente do Brasil que é impossível não aproveitar. De jantares a passeios, de roupas a produtos pra casa (quase) tudo é infinitamente mais barato que no Brasil.
  15. O Brasil é quente como o inferno durante nove meses do ano, e nenhuma casa é isolada hermeticamente ou construída com dutos de ar. Então você sofre por nove meses, ou fica confinado em um pequeno quarto com ar-condicionado. Nos outros três meses, quando fica “frio”, você congela à noite. (quem é do Sul, é obrigado a concordar com isto, não temos calefação nas casas p.ex. e poucas delas tem chuveiro a gás).
  16. A comida no Brasil pode ser mais saudável, mas é sem graça, repetitiva e muito inconveniente. Alimentos congelados, processados ou prontos são poucos, caros e ruins.
  17.  Brasileiros são sociáveis e raramente passam algum tempo sozinho. Isso não é necessariamente ruim, mas você é socialmente obrigado a convidar outras pessoas para frequentar sua casa todo fim de semana.
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Se está querendo fazer planos para o final de semana, não vai dar. Porque já tem 14 festas de aniversário e vai ter que faltar mais nove.
  18. Brasileiros ficam muito perto, emocionalmente e geograficamente, de suas famílias de origem durante toda a vida. Isso também não é uma característica ruim, mas isso afeta meu casamento. Os brasileiros adultos nunca cortam o cordão emocional com suas famílias de origem, que continua se envolvendo na sua vida, nos seus problemas e nas suas decisões.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Os americanos são N vezes mais independentes que nós que crescemos – de certa forma – mimados e acostumados a ter ajuda pra tudo. Aqui a galera se vira mesmo, de fazer a limpeza pesada da casa, até trocar uma peça do carro que quebrou. Pra quem nasceu acostumado a essas molezas, ter que aprender essas coisas de velho é chato pra caramba!
  19. Eletricidade e serviços de internet são absurdamente caros e ruins.
  20. A qualidade da água é questionável.
  21. No Brasil só existe um tipo de cerveja (aguada), que é uma porcaria. E, claro, cervejas importadas são extremamente caras.
  22. A maioria dos motoristas de ônibus dirige como se estivessem tentando quebrar o ônibus e a todos dentro dele. (Andar de ônibus no RJ, p.ex., na hora do rush, fazendo curvas a 80h é uma verdadeira façanha).
    1. Declaração de uma americano que vive no Brasil desde 2013: Outra coisa da lista original que parece verdade: os motoristas de ônibus são maníacos. Quando atravesso a rua, eu sinceramente acredito que eles estão me tentando matar.
  23. As calçadas são cobertas com xixi e cocô de cães que latem dia e noite.
  24. Engarrafamentos toda vez que chove.
  25. Raramente as coisas são feitas corretamente da primeira vez. Você tem que voltar para o banco, consulado, escritório, mandar por e-mail ou telefonar várias vezes para as pessoas fazerem seu trabalho.
  26. Contratar e cancelar serviços é um verdadeiro inferno.
    1. Declaração sobre o Brasil de uma paulista que mora nos USA: Quem já tentou cancelar a conta da NET ou a assinatura de uma revista ou jornal sabe o sacrifício e a dor de cabeça que é tentar trocar/cancelar um prestador de serviços no Brasil. Aqui, pode até ser que demore para você conseguir falar com a atendente telefônica, mas passada a espera inicial o cancelamento é imediato.
  27. Ir a shoppings e restaurantes são as principais atividades. Não há nada para fazer sem gastar. Há somente um parque principal, sempre horrivelmente lotado.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma brasileira que vive na Espanha: “Não sei se algum dia volto ao Brasil, pelo simples fato de que não quero mais voltar ao Brasil. Eu gosto muito de morar na Espanha, gosto da vida que levo aqui. O que mais me chamou à atenção nestes meus 10 anos de Granada é que não é pobre quem menos tem, mas aquele que menos necessita. Eu aprendi que aqui eu não preciso de luxo para ser feliz, que mesmo tendo pouco dinheiro, eu posso me divertir com os amigos, frequentar teatros e ainda viajar de vez em quando.”
    2. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Não existe muita confiança em parques públicos. Chama a atenção especialmente na fronteira com Argentina. Achei um absurdo que no outro lado da fronteira todo mundo vai aos parques, mas no Brasil você precisa de gastar dinheiro para sair com amigos.
  28. Os mercados são ruins. Os produtos somem por semanas ou meses até voltarem às prateleiras.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Ir no supermercado aqui nos Estados Unidos, seja no Whole Foods que é mais natureba ou no Safeway que equivale a um Pão de Açúcar, é sempre uma diversão. São prateleiras e mais prateleiras de variedade, “n” opções de marcas e muitos produtos super práticos. O mesmo se aplica pra lojas de roupa, eletrodomésticos e etc…
  29. O acabamento das casas é péssimo. Janelas, portas, dobradiças, tubos, energia elétrica, calçadas, são todos construídos com o menor esforço possível.
  30. Árvores, postes, telefones, plantas e lixeiras são colocados no meio das calçadas, tornando-as intransitáveis.
  31. Você paga o triplo por produtos que vão quebrar em um ou dois anos, talvez menos.
  32. Carros com som alto à noite fazem tremer a casa.
  33. Brasileiros amam estar bem no seu caminho. Eles não dão espaço para você passar.
  34. As pessoas vão apertar e empurrar você sem pedir desculpas. No transporte público você vai tão apertado que é incapaz de mover qualquer coisa, além de sua cabeça.
  35. Brasil é um país com preços inflacionados para itens de qualidade ruim. Para se ter uma ideia, São Paulo é a 10ª cidades do mundo mais cara para se viver. Nova York está em 32º.
  36. Por favor, parem de dizer que a “comida é a melhor do mundo”. No meu país também há arroz e feijão. O item mais comum no cardápio é, geralmente, “Infelizmente, acabou”. Se um restaurante só oferece cinco coisas, COMO QUE, NUMA SEXTA-FEIRA, NÃO TEM MAIS DE DOIS DISPONÍVEIS?!
  37. Zero respeito com os pedestres. (excetuando alguns poucos lugares com Brasilia, Gramado e Canela, p.ex.).
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Vai a pé? Cuidado: os veículos não param para os pedestres, nem as bicicletas respeitam quem está a pé.
  38. Fogos de artifício a todas as horas.
  39. As pessoas não entendem o significado de “fazer uma fila”. A ideia é empurrar o que quer que seja à sua frente.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: A vida é muito curta para passar os dias batendo de frente com gente que não entende as mínimas regras de convívio social e que é orientado desde pequeno, na família, na escola, a resolver as coisas batendo, xingando, usando os cotovelos e mostrando o dedo médio aos outros pela janela — seja do SUV novinho em folha ou do Chevette sem placa.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Estive em São Paulo em 2012, numa viagem excepcional. Mas, para cada experiência vivida, foi preciso matar um leão. Comprar um bilhete de qualquer coisa numa fila sem ser ludibriado é quase um milagre. Tem sempre alguém querendo passar na sua frente. Entrar num trem ou no metrô é outro desafio. Embarque e desembarque acontecem concomitantemente, desafiando aquela lei da física que diz que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo.
    3. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Detesto (e sempre detestei) gambiarra, sabe aquele jeito espertalhão de querer sempre levar a melhor? Aqui não tem essa história de furar fila, de parar em vaga de deficiente. As regras são super claras (muitas vezes duras para o nosso padrão) mas as coisas funcionam.
  40. Dizer que São Paulo é a “Nova York da América do Sul”. Isso somente se NY fechasse às 22h.
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: A gerência de empresas é bem ilógica. Como que um restaurante pode estar aberto apenas 10 horas por semana e não ir à falência? E muitas vezes acho que os gerentes não entendem que o cliente (até aqueles que reclamam e brigam) é a fonte do seu bem-estar.
  41. Todas as cidades brasileiras (com exceção talvez do Rio e o antigo bairro do Pelourinho em Salvador), são feias, cheias de concreto, hiper-modernas e desprovidas de arquitetura, árvores ou charme. A maioria é monótona e completamente idênticas na aparência.
  42. Tudo é construído para carros e motoristas, mesmo os carros sendo o triplo do preço de qualquer outro país.
  43. Brasileiros, de classe média, geralmente, tem empregos com remunerações que servem somente para pagar as contas.
  44. Brasileiros, de modo geral, se atrasam para compromissos sociais, reuniões de trabalho e entrevistas de emprego e, claro, quase sempre, colocam a culpa no trânsito. (não é o meu caso, sempre chego com 15-30 min. de antecedência, mas não me ofendo com a generalização).
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: E o encontro marcado às sete só acontece às oito porque a maioria das pessoas não se preocupa verdadeiramente em chegar na hora.
    2. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Tudo atrasa. “Daqui a pouco” significa “em duas horas”. Esperar uma hora não é nada traumático e, se reclama, você é mal-educado.
  45. A locomoção no Brasil não é um direito, mas mais um símbolo de poder de classe – o transporte público é ruim para sublinhar o poder e os privilégios de quem pode ter um carro.
  46. Estradas e Ruas com péssima sinalização e manutenção.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Dirigir sem medo de deixar parte da minha roda na estrada é uma das minhas grandes alegrias ao viajar. A diferença é tanta que  aqui os carros duram bem mais.
  47. O sistema de trânsito foi mal planejado. Vira à direita e o semáforo fechou com a fila bloqueando o tráfego; as ruas muitas vezes não fazem sentido, exatamente como se uma criança tivesse desenhado tudo num mapa.
  48. Os colégios fecham cedo e até as 11h30 da manhã as ruas estão cheias de alunos. Logisticamente isso é irritante, porque muitos dos alunos são jovens e complicam o trânsito. Mas, também é triste porque o nível de educação sofre por causa da falta de tempo de estudo. Também acho triste porque os alunos com famílias mais ricas conseguem estudar depois, em aulas particulares, enquanto os de famílias menos ricas trabalham ou cuidam dos irmãos.

2016: Encerramento de Ciclos; 2017: Responsabilidade e Respeito

Conforme a astrologia, um determinado planeta nos governa por um período de 36 anos. Em outras palavras, de 36 em 36 anos vivemos sob a dinâmica deste planeta e, portanto suas características se tornarão visíveis por todo este período.

O Sol, astro dos astros, está a nos reger desde 1981. E o que temos observado desde então?!?

Sim, isto mesmo, um mundo e seus habitantes preocupados com o brilho pessoal, voltados ao egocentrismo e à necessidade de pronta resolução dos desejos individuais. O Individualismo cresceu exponencialmente enquanto que o respeito aos outros foi esquecido. Nunca antes, tínhamos tido tanta a Exaltação do EU: “Meu Corpo, minhas escolhas”, “Eu quero agora, é meu direito/minha necessidade”.

Não é a toa, que elegmos nos últimos 2-3 anos as Selfies, como símbolo máximo de nossas representatividade pessoal e de nosso egocentrismo nas redes sociais.

O Sol representa a “criança interior” de cada um.E, também , por isto, que os bebês do milênio foram criados sobre a égide do mimo exagerado, tornando os pais incapazes de por limites em seus desejos: eles dormem quando querem, comem o que querem e interferem de modo negativo e totalmente questionável na vida de quem os cerca (as birras são um exemplo bem claro disto).

Sim, isto mesmo, acabamos criando crianças incapazes de demonstrar seus reais e verdadeiros propósitos, de forma respeitosa, criativa e adequada. A nova geração é orgulhosa e adora ostentar, se tornou prepotente e autoritária ao extremo. E, por que isto aconteceu? Bem, porque que os criou, talvez por culpa, tenha tido a necessidade de elogiá-los em excesso e de recompensá-los por tudo.

2016, ano 9,  é o ano de término do ciclo solar e também, segundo a numerologia, um ano de encerramentos. O que isto significa?

Que uma grande parte de nós vivenciou um sem número de momentos de perdas e renúncias, não é a toa que vemos nas redes sociais muitos de nossos amigos afirmando que não aguentam mais 2016 (um ano que nunca acaba).

Que fomos desafiados a nos desapegar de tudo o que era inconsistente.

Que muitos de nós tiveram uma sensação de angustia de viver, um vazio existencial, apatia, impotência, inatividade ou falta de um propósito; sentimentos e sensações que podem exigir a busca de um significado para a vida.

Que devemos nos aquietar e apreciar o impulso da mudança. Alguns de nós têm se perguntado: “O que vai ser amanhã? Como vai ser? O que eu vou fazer?” Bem, algo grande está vindo e aquietar-se e apreciar, não significa ficar parado, fazendo nada; mas, sim que devemos apreciar cada momento com o que nós temos naquele momento.

Em 2017, começa o ciclo de Saturno e com ele veremos a necessidade de impor limites (não é a toa que a Sociedade clama por Policiamento, Punição e Justiça), de perseverar frente às limitações, de ter paciência, de sermos firmes e responsáveis. A experiência, a competência, o esforço contínuo e disciplinado serão muito valorizados.

A dissolução do ego será a meta, trazendo mais responsabilidade ( a palavra Direito deverá ser trocada pela palavra Dever), rigor, severidade, justiça, e, também, o destaque e o reconhecimento através do trabalho duro.

Deus passará a exigir maturidade e responsabilidade, o amadurecimento espiritual será cobrado. 2017 será o ano da unificação, um ano de encontros e reencontros de almas.

Aos governantes será exigida uma postura menos vaidosa, mais séria, responsável e conservadora.

Os próximos anos serão de grande aprendizado:

  1. Não posso tudo o que eu quero, ou seja, querer não é poder!
  2. Minha liberdade termina onde começa a do outro.
  3. Aprender a olhar para dentro de si, para enfim descobrir o verdadeiro poder!
  4. Ultrapassar as barreiras da autopunição, da autonegação e da baixa autoestima, para quem sabe conseguir descobrir o seu verdadeiro potencial.
  5. A União faz a força! Mas, isto não significa que devemos abraçar e lutar por tudo e por todos, que temos que concordar com o que o outro diz quando não concordamos!
  6. O respeito, acima de tudo, é o que mantém a energia ativa e possibilita que possamos ir em frente de cabeça erguida.
  7. Não desperdice suas energias brigando para cegamente defender seus pontos de vista.
  8. A vida é a nossa grande mestra. Tudo o que nos acontece está de algum modo nos favorecendo, seja para nos melhorarmos, seja pra nos despertarmos da nossa zona de conforto, ou mesmo para adquirirmos alguma habilidade ou mudarmos algum aspecto. O propósito sempre o aprimoramento.

(Em construção)


Ser ou não Ser Charlie, eis a questão. Será mesmo?!?

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro.

Ser ou não ser Charlie, esta definitivamente não deve ser a questão! A questão é mais ampla: ser contra ou a favor da Liberdade de Expressão! Je suis Charlie não significa apoio ao que a revista expressa, mas representa o apoio e o respeito ao contraditório, à liberdade de expressão, ao direito que tem qualquer democrata republicano de defender, falar e escrever o que bem entender, sem se preocupar em contentar Gregos ou Troianos.

O que foi profanado em Paris, foi o verdadeiro espírito da república e do estado democrático de direito, expresso por Voltaire  “Não concordo com o que dizes mas defenderei até à morte o teu direito de o dizeres”.  a liberdade de expressão é um direito de todos nós, e defender o direito alheio é um dever de todos e a única garantia que temos de viver em uma sociedade livre e justa.

Portanto, parem de propagar por aí: que os cartunistas e as pessoas no mercado, nada mais fizeram do que fazer por merecer, pois quem colhe vento, semeia tempestades! O furo é bem mais embaixo, nenhum ser humano deve ter o direito de sair por aí matando os outros, só porque estes não comungam de seu ponto de vista religioso. Sim, pois nenhuma religião, quando corretamente aplicada e interpretada, pede aos seus fanáticos que saiam por aí matando pessoas. Pedem sim, que saiam professando palavras de amor e de união.

Ninguém aqui, em nenhum momento, está lhe obrigando a comungar das ideias subversivas (humor é subversão e jamis exaltação do Politicamente Correto) da Revista Francesa, mas sim estamos lhes convidando a resgatar seu senso de Humanidade, a se colocar no lugar das vítimas e refletir: será que a vida humana vale menos do que uma opinião contraditória e polêmica sobre qualquer assunto?

Foi, por tudo isto que a grande marcha francesa, a “A Marcha Republicana”, transformou-se em um grande aglomerado em Paris, onde mais de 1,5 milhão de pessoas (4,5 milhões em toda a França), se reuniram e protestaram pacificamente sem destruir coisa alguma.

A manifestação teve início Praça da República e em sua linha de frente estavam 60 líderes de governos (entre os quais: Hollande, Angela Merkel, Benjamin  Netanyhau, Ibrahim Boubacar Keïta, Mahmoud Abbas, Matteo Renzi e David Cameron, todos de braços dados e vestidos de preto), que demonstram enorme coragem (o policiamento em nenhum momento foi ostensivo, nem mesmo na proteção direta aos governantes, apenas 5.500 agentes estavam presentes), já que não haveria como evitar um ataque terrorista. A falta de Obama foi sentida e muito comentada, assim como a falta de todos os líderes latino-americanos.

Bem diferente, do que aconteceu na Terra Brasilis, onde mal e porcamente baderneiros conseguiram reunir cerca de 1 milhão de pessoas em todo território Nacional (2014), para protestar pelo acréscimo de R$0,20 nas passagens de ônibus. E, em 2015, apenas 500 pessoas para protestar contra um aumento de R$0,50.

Educação é isto, uns lutam pela manutenção de Direitos Fundamentais (liberdade de Expressão, Cidadania, etc) e outros (paus-mandados, massa de manobra) lutam por migalhas estatais. Os primeiros, pacificamente respeitando os direitos alheios, os demais deixando um rastro de destruição por onde passaram!

Parabéns aos Franceses que souberam como ninguém honrar sua bandeira e lutar mais uma vez por Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

Já aos brasileiros, desejo apenas algum dia desenvolvam o senso de Ordem e Progresso. Para quem sabe assim, aprenderem a Respeitar o Estado de Direito e lutarem pelo que realmente importa!

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: