É Duro Viver no Brasil: 48 Razões pelas quais Gringos e Brasileiros não voltariam a viver no Brasil!!!

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Recentemente, um texto de 2012, elaborado por um americano que morou em SP por três anos, voltou a ser alvo de pol^mica no Facebook. E, pasmem vcs meus queridos leitores, que apesar de quase todos os motivos serem verdadeiros e serem alvos de nossas reclamações, muitos brasileiros se sentiram ofendidos pelo fato de um gringo estar esfregando na nossa cara a verdade.

Por tudo isto decidi fazer uma pesquisa rápida e descobri que além deste gringo, outros gringos de outros países reclamam das mesmas coisas e que também brasileiros, que hoje já não mais vivem por aqui também os elencam como motivos para não voltarem. E, que cerca de 75% dos brasileiros que leram a lista concordam com ela, sim foram feitas enquetes).

Segue abaixo a lista de motivos, assim distribuída: em preto, os motivos dos gringos; em negrito, os motivos dos brasileiros; e, em vermelho, os motivos que ambos concordam.

  1. Brasileiros nunca admitem que o país é um lugar ruim para viver. No Brasil se paga muito mais e se trabalha muito mais para atingir um padrão de vida mais simples de se atingir em outros países. (aqui eu sou a exceção, pois concordo que aqui seria um lugar ótimo para viver, se as regras de convivência e as leis fossem respeitadas).
  2. Brasileiros não têm nenhuma consideração por aqueles que não fazem parte de seu círculo social. Por exemplo, um vizinho que toca música alta durante toda a noite. Mesmo se você for lhe pedir educadamente para abaixar o volume, ele vai mandar você “tomar no **”.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Passava noites sem dormir porque o vizinho fazia aniversário e a festa vazava para o prédio todo. “Relaxa, merrmão, é só uma vez por ano”, justificava o merrmão. Mas, vem cá, conta comigo: uma vez por ano vezes 100 apartamentos é igual a… Enfim, todo mundo era bonito, todo mundo era bacana, todo mundo era dourado – e ninguém por ali tinha qualquer senso de comunidade ou respeito pelo outro. Todo mundo tinha todos os direitos — e nenhum dever.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Era impossível para mim viver num lugar onde o contrato social foi rasgado. Em nosso país, se estabeleceu há muito tempo (desde sempre?) a ideia do cada um por si. Isso torna, no limite, a vida social impossível. E o dia-a-dia, em todos os níveis, um salve-se-quem-puder.
    3. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: “Os americanos querem o melhor para o país deles. O brasileiro quer o melhor para ele”. Os americanos pensam na sociedade, os brasileiros pensam em si mesmos e o resto que se…dane.” As pessoas respeitam umas às outras no trânsito ou na calçada. Ninguém incomoda o sono de ninguém. Os vizinhos respeitam uns aos outros e se não respeitarem a lei persegue e pune os transgressores, sem sombra de dúvidas. Tem festa sim mas tem lugar e hora para isso sem contar a organização.
  3. Brasileiros querem ganhar vantagem em tudo. É como um “instinto de sobrevivência”. O melhor exemplo é no trânsito. Se eles tiverem uma forma de ultrapassar você, assim o farão. E, o melhor exemplo disto são os motoboys, os motociclistas acreditam que têm prioridade sobre todos outros. Não respeitam semáforos fechados, passam entre os carros sem cuidado, não comunicam nada. É como eles se fossem os reis da cidade..
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: De que adianta um lugar ter sol-e-mar-e-gente bonita se o cara do seu lado ocupa um espaço (tanto físico quanto social) muito maior do que precisa, não dá a mínima para você ou para os outros à volta, emporcalha tudo, fala os berros, quer sempre levar vantagem em tudo, te passa a perna…
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Entrou na loja? Atenção: testa bem porque tem produto que não funciona. (Depois se vira para resolver com o fabricante…) Pagou em dinheiro? Confere o troco porque a chance é grande de vir faltando. Passou o cartão? Fica de olho porque a máquina pode ser “chupa-cabra”.
    3. Declaração de uma americano que mora no Brasil desde 2013: Zero, absolutamente zero autoconsciência espacial. Parando carros em faixas ativas, ficando na calçada olhando o celular durante a hora de rush, a inabilidade de seguir numa linha reta. Isso é a realidade e é assustadora.
  4. Brasileiros não respeitam o meio ambiente. Eles jogam lixo na rua, na natureza… em qualquer lugar. As ruas são realmente sujas. Os recursos naturais, abundantes, estão sendo desperdiçados. (Isto, sem falar das praias no verão que viram um lixão a céu aberto).
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: O problema do lixo é realmente enorme. Claro que é politicamente complicado, mas não faz sentido jogar plástico na rua ou no rio do bairro onde você mora, ou qualquer outro lugar. Se existe um cesto de lixo, pelo menos o use.
  5. Brasileiros toleram tranquilamente corrupção nos negócios e no governo. E a população continua reelegendo as mesmas pessoas. (vide que muita gente continuará votando 13 nas próximas eleições).
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013:  Existe adoração demais por líderes individuais que devem salvar o povo. Seja Lula, Jair Bolsonaro, o Papa, pastores evangélicos, tantas pessoas elevadas à categoria de herói vão vai, inevitavelmente, trair ou falhar.
  6. Brasileiras são excessivamente obcecadas com seus corpos e muito competitivas uma com as outras.
    1. Declaração sobre o Brasil de uma brasileira que mora na Espanha: “No Brasil para eu ser feliz, tinha que está me apresentando no Shopping e cada dia com uma roupa, aqui eu aprendi que a felicidade não está nesses lugares e que a auto-estima não está diretamente relacionada com ir ao salão arrumar o cabelo, fazer as unhas, se maquiar. Você sabe que no Brasil eu não tinha uma vida de luxo, um padrão alto, que eu me incluísse como uma patricinha, mas ao passar tanto tempo fora e observar os valores sociais, econômico e culturais do lugar em que, hoje eu vivo, a percepção de vida mudou e mudou muito”
  7. Brasileiros, principalmente homens, são altamente propensos à traição. A menos que nunca saiam de casa, as chances são grandes. (pesquisas conformam isto).  E isto não é apenas um estereótipo. Homens na sociedade brasileira são condicionados a acreditar que eles são mais “viris” por saírem com várias mulheres.
  8. Brasileiros não ligam de expressar opiniões negativas a respeito de outras pessoas publicamente, nem se importam de ferir o sentimento de alguém.
  9. Brasileiros, especialmente os que prestam serviços, são geralmente malandros, preguiçosos e atrasados.
  10. Os brasileiros vivem em um sistema de classes. Os ricos geralmente são muito arrogantes e insensíveis, e acham que estão acima do sistema. Já os pobres ganham tão pouco que não conseguem sair da pobreza. Isso é motivo, muitas vezes, para entrarem no crime ou se tornarem preguiçosos com relação ao trabalho, já que não têm esperanças de fazer um bom trabalho.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma brasileira que mora na Espanha: Aqui em Barcelona, eu moro no mesmo edifício que o motorista do caminhão de lixo, almoço no mesmo restaurante da moça que faz  a faxina do meu prédio, do rapaz que limpa a piscina, e é super normal, pois a diferença de “classe” é estupidamente menor. Aqui as pessoas andam descalça, descabeladas, com bobes no cabelo e ninguém se preocupa, as pessoas se vestem como querem e ninguém critica.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um brasileiro que mora na Austrália: o custo de vida na Austrália é alto, mas a diferença salarial não é astronômica como no Brasil e enquanto uma pessoa que trabalha como assistente de marketing em um escritório pode ganhar $25,00 dólares por hora, o faxineiro no mesmo escritório pode ganhar o mesmo.
    3. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Não é à toa que um carteiro vive aqui como uma pessoa rica vive no Brasil. Tem casa de 250m² com ar condicionado e piscina em um bairro arborizado. É óbvio que isso não é a realidade de 100% dos habitantes desse país mas pelo menos aqui isso é possível, no Brasil não.
  11. Brasileiros constantemente interrompem o outro para poder falar. Tentar conversar é como uma competição para ser ouvido. (é só tentar assistir qualquer debate na TV ou qualquer programa de entrevistas que isto fica evidente).
    1. Declaração de uma americano que mora no Brasil desde 2013: Concordando com aquela lista original, é muito comum ser interrompido quando está falando. É grosso e ninguém reconhece que faz.
  12. A polícia brasileira é ineficaz quando se trata de cumprir leis e proteger a população, como cumprir a legislação de trânsito, ou encontrar e prender ladrões. As leis existem, mas ninguém as endossa. As pessoas vivem com medo, constroem muros ao redor de casa, ou pagam altas taxas para morar em condomínios fechados.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: De que adianta ter os amigos e a família por perto, e viver próximo das suas raízes, falando a sua língua materna, se todo dia você sai de casa sem saber se vai voltar – se as ruas da sua “cidade civilizada em um país democrático” respira um clima de guerra civil, expresso em um número de mortes semelhante ao de regiões deflagradas na África ou do Oriente Médio?
    2. Declaração sobre o Brasil, de um brasileira que mora na Espanha:  É que depois de aprender a cruzar uma rua pela faixa de segurança sem nem precisar olhar para os lados ou me acostumar a voltar para casa a pé às 3 da manhã, desfrutando do cheiro das flores e do silêncio da madrugada sem precisar olhar para trás, pensa um dia em regressar à sua pátria amada? Quem depois de dar risada (ou se irritar, no meu caso) com as crianças de uniforme do colégio jogando bola em plena praça central, de se habituar a pegar a sua bicicleta e fazer um piquenique no parque público ou de ver uma roda de velhinhos e velhinhas tomando cerveja (sem álcool) felizes e cheirosos no mesmo bar que a garotada de 20 anos, pode cogitar a hipótese de não viver mais essas coisas, aparentemente tão banais, mas que no Brasil parece que há muito tempo não existe?”
    3. Declaração sobre o Brasil, de um brasileiro que mora na Austrália: Já falei diversas vezes aqui sobre a segurança que se tem na Austrália, mas o que percebi é que segurança não deve ser um luxo, mas algo disponível a todos. Só notei o quanto a Austrália é segura quando voltei em férias para o Brasil. Depois de um tempo aqui você vai se acostumando tanto com a segurança de abrir um Macbook no ônibus ao caminho para o trabalho, tirar um iPhone do bolso no centro da cidade sem ter qualquer tipo de preocupação, andar de carro às 2 da manhã de janela aberta e ainda parar em frente a praia para curtir a paisagem que você acaba nem dando valor.
    4. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Os últimos anos que passei no Brasil foram muito difíceis para mim. Já não suportava mais a violência da cidade de São Paulo. O Brasil já é o 6º país mais violento do mundo e a moda agora em SP é ter carro à prova de balas, acredita? Quando eu conto isso aqui as pessoas pensam que eu estou brincando. Aqui nos USA,onde eu moro, as janelas da minha casa não têm grades e eu posso ver o gramado das casas ao redor. Nos finais de semana os carros ficam abertos em frente às casas e os pedestres sequer olham no seu interior. Eu ando pelas ruas sem medo, sem ter que olhar para trás ou certificar-me que minha carteira está no bolso da frente e o mais impressionante, não tenho medo da polícia.
    5. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Nasci e cresci em São Paulo e nunca percebi o quanto  me incomodava com a questão da insegurança até eu ser exposta a uma realidade completamente diferente. Aqui na Califórnia são raros os casos de assalto a mão armada, as pessoas saem com o computador na rua sem dó, e o que eu acho mais fantástico, existe uma cultura de acampar em lugares remotos sem medo.
  13. Brasileiros tornam tudo inconveniente e difícil. Nada é pensado para facilitar a vida do cliente. Além de terem uma alta tolerância com uma burocracia desnecessária e redundante.
    1. Declaração de um americano que vive no Brasil desde 2013: A burocracia. Gente, posso escrever um livro sobre esse problema. Todos sabem que existe, ninguém sabe como resolver, então o povo aceita sem reclamar. Essa abordagem é mais saudável psicologicamente, mas é também super frustrante.
  14. Brasileiros toleram impostos altos e taxas de importação que tornam tudo (especialmente produtos de casa, eletrônicos e carros) inacreditavelmente caros. E para os empresários, seguir as regras e pagar as taxas tornam quase impossível fazer lucro.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Quando você visita os EUA percebe que tudo aqui tem qualidade e preço justo. O governo brasileiro corrupto que coloca altas cargas tributárias nos ombros dos brasileiros e o próprio brasileiro que por ganância quer ganhar 100% ou mais de lucro em qualquer produto ou serviço. A cultura do “levar vantagem” me mata!
    2. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: mesmo pra mim que nunca fui das mais consumistas a oferta de produto e o preço da maioria das coisas é tão diferente do Brasil que é impossível não aproveitar. De jantares a passeios, de roupas a produtos pra casa (quase) tudo é infinitamente mais barato que no Brasil.
  15. O Brasil é quente como o inferno durante nove meses do ano, e nenhuma casa é isolada hermeticamente ou construída com dutos de ar. Então você sofre por nove meses, ou fica confinado em um pequeno quarto com ar-condicionado. Nos outros três meses, quando fica “frio”, você congela à noite. (quem é do Sul, é obrigado a concordar com isto, não temos calefação nas casas p.ex. e poucas delas tem chuveiro a gás).
  16. A comida no Brasil pode ser mais saudável, mas é sem graça, repetitiva e muito inconveniente. Alimentos congelados, processados ou prontos são poucos, caros e ruins.
  17.  Brasileiros são sociáveis e raramente passam algum tempo sozinho. Isso não é necessariamente ruim, mas você é socialmente obrigado a convidar outras pessoas para frequentar sua casa todo fim de semana.
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Se está querendo fazer planos para o final de semana, não vai dar. Porque já tem 14 festas de aniversário e vai ter que faltar mais nove.
  18. Brasileiros ficam muito perto, emocionalmente e geograficamente, de suas famílias de origem durante toda a vida. Isso também não é uma característica ruim, mas isso afeta meu casamento. Os brasileiros adultos nunca cortam o cordão emocional com suas famílias de origem, que continua se envolvendo na sua vida, nos seus problemas e nas suas decisões.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Os americanos são N vezes mais independentes que nós que crescemos – de certa forma – mimados e acostumados a ter ajuda pra tudo. Aqui a galera se vira mesmo, de fazer a limpeza pesada da casa, até trocar uma peça do carro que quebrou. Pra quem nasceu acostumado a essas molezas, ter que aprender essas coisas de velho é chato pra caramba!
  19. Eletricidade e serviços de internet são absurdamente caros e ruins.
  20. A qualidade da água é questionável.
  21. No Brasil só existe um tipo de cerveja (aguada), que é uma porcaria. E, claro, cervejas importadas são extremamente caras.
  22. A maioria dos motoristas de ônibus dirige como se estivessem tentando quebrar o ônibus e a todos dentro dele. (Andar de ônibus no RJ, p.ex., na hora do rush, fazendo curvas a 80h é uma verdadeira façanha).
    1. Declaração de uma americano que vive no Brasil desde 2013: Outra coisa da lista original que parece verdade: os motoristas de ônibus são maníacos. Quando atravesso a rua, eu sinceramente acredito que eles estão me tentando matar.
  23. As calçadas são cobertas com xixi e cocô de cães que latem dia e noite.
  24. Engarrafamentos toda vez que chove.
  25. Raramente as coisas são feitas corretamente da primeira vez. Você tem que voltar para o banco, consulado, escritório, mandar por e-mail ou telefonar várias vezes para as pessoas fazerem seu trabalho.
  26. Contratar e cancelar serviços é um verdadeiro inferno.
    1. Declaração sobre o Brasil de uma paulista que mora nos USA: Quem já tentou cancelar a conta da NET ou a assinatura de uma revista ou jornal sabe o sacrifício e a dor de cabeça que é tentar trocar/cancelar um prestador de serviços no Brasil. Aqui, pode até ser que demore para você conseguir falar com a atendente telefônica, mas passada a espera inicial o cancelamento é imediato.
  27. Ir a shoppings e restaurantes são as principais atividades. Não há nada para fazer sem gastar. Há somente um parque principal, sempre horrivelmente lotado.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma brasileira que vive na Espanha: “Não sei se algum dia volto ao Brasil, pelo simples fato de que não quero mais voltar ao Brasil. Eu gosto muito de morar na Espanha, gosto da vida que levo aqui. O que mais me chamou à atenção nestes meus 10 anos de Granada é que não é pobre quem menos tem, mas aquele que menos necessita. Eu aprendi que aqui eu não preciso de luxo para ser feliz, que mesmo tendo pouco dinheiro, eu posso me divertir com os amigos, frequentar teatros e ainda viajar de vez em quando.”
    2. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Não existe muita confiança em parques públicos. Chama a atenção especialmente na fronteira com Argentina. Achei um absurdo que no outro lado da fronteira todo mundo vai aos parques, mas no Brasil você precisa de gastar dinheiro para sair com amigos.
  28. Os mercados são ruins. Os produtos somem por semanas ou meses até voltarem às prateleiras.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Ir no supermercado aqui nos Estados Unidos, seja no Whole Foods que é mais natureba ou no Safeway que equivale a um Pão de Açúcar, é sempre uma diversão. São prateleiras e mais prateleiras de variedade, “n” opções de marcas e muitos produtos super práticos. O mesmo se aplica pra lojas de roupa, eletrodomésticos e etc…
  29. O acabamento das casas é péssimo. Janelas, portas, dobradiças, tubos, energia elétrica, calçadas, são todos construídos com o menor esforço possível.
  30. Árvores, postes, telefones, plantas e lixeiras são colocados no meio das calçadas, tornando-as intransitáveis.
  31. Você paga o triplo por produtos que vão quebrar em um ou dois anos, talvez menos.
  32. Carros com som alto à noite fazem tremer a casa.
  33. Brasileiros amam estar bem no seu caminho. Eles não dão espaço para você passar.
  34. As pessoas vão apertar e empurrar você sem pedir desculpas. No transporte público você vai tão apertado que é incapaz de mover qualquer coisa, além de sua cabeça.
  35. Brasil é um país com preços inflacionados para itens de qualidade ruim. Para se ter uma ideia, São Paulo é a 10ª cidades do mundo mais cara para se viver. Nova York está em 32º.
  36. Por favor, parem de dizer que a “comida é a melhor do mundo”. No meu país também há arroz e feijão. O item mais comum no cardápio é, geralmente, “Infelizmente, acabou”. Se um restaurante só oferece cinco coisas, COMO QUE, NUMA SEXTA-FEIRA, NÃO TEM MAIS DE DOIS DISPONÍVEIS?!
  37. Zero respeito com os pedestres. (excetuando alguns poucos lugares com Brasilia, Gramado e Canela, p.ex.).
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Vai a pé? Cuidado: os veículos não param para os pedestres, nem as bicicletas respeitam quem está a pé.
  38. Fogos de artifício a todas as horas.
  39. As pessoas não entendem o significado de “fazer uma fila”. A ideia é empurrar o que quer que seja à sua frente.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: A vida é muito curta para passar os dias batendo de frente com gente que não entende as mínimas regras de convívio social e que é orientado desde pequeno, na família, na escola, a resolver as coisas batendo, xingando, usando os cotovelos e mostrando o dedo médio aos outros pela janela — seja do SUV novinho em folha ou do Chevette sem placa.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Estive em São Paulo em 2012, numa viagem excepcional. Mas, para cada experiência vivida, foi preciso matar um leão. Comprar um bilhete de qualquer coisa numa fila sem ser ludibriado é quase um milagre. Tem sempre alguém querendo passar na sua frente. Entrar num trem ou no metrô é outro desafio. Embarque e desembarque acontecem concomitantemente, desafiando aquela lei da física que diz que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo.
    3. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Detesto (e sempre detestei) gambiarra, sabe aquele jeito espertalhão de querer sempre levar a melhor? Aqui não tem essa história de furar fila, de parar em vaga de deficiente. As regras são super claras (muitas vezes duras para o nosso padrão) mas as coisas funcionam.
  40. Dizer que São Paulo é a “Nova York da América do Sul”. Isso somente se NY fechasse às 22h.
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: A gerência de empresas é bem ilógica. Como que um restaurante pode estar aberto apenas 10 horas por semana e não ir à falência? E muitas vezes acho que os gerentes não entendem que o cliente (até aqueles que reclamam e brigam) é a fonte do seu bem-estar.
  41. Todas as cidades brasileiras (com exceção talvez do Rio e o antigo bairro do Pelourinho em Salvador), são feias, cheias de concreto, hiper-modernas e desprovidas de arquitetura, árvores ou charme. A maioria é monótona e completamente idênticas na aparência.
  42. Tudo é construído para carros e motoristas, mesmo os carros sendo o triplo do preço de qualquer outro país.
  43. Brasileiros, de classe média, geralmente, tem empregos com remunerações que servem somente para pagar as contas.
  44. Brasileiros, de modo geral, se atrasam para compromissos sociais, reuniões de trabalho e entrevistas de emprego e, claro, quase sempre, colocam a culpa no trânsito. (não é o meu caso, sempre chego com 15-30 min. de antecedência, mas não me ofendo com a generalização).
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: E o encontro marcado às sete só acontece às oito porque a maioria das pessoas não se preocupa verdadeiramente em chegar na hora.
    2. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Tudo atrasa. “Daqui a pouco” significa “em duas horas”. Esperar uma hora não é nada traumático e, se reclama, você é mal-educado.
  45. A locomoção no Brasil não é um direito, mas mais um símbolo de poder de classe – o transporte público é ruim para sublinhar o poder e os privilégios de quem pode ter um carro.
  46. Estradas e Ruas com péssima sinalização e manutenção.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Dirigir sem medo de deixar parte da minha roda na estrada é uma das minhas grandes alegrias ao viajar. A diferença é tanta que  aqui os carros duram bem mais.
  47. O sistema de trânsito foi mal planejado. Vira à direita e o semáforo fechou com a fila bloqueando o tráfego; as ruas muitas vezes não fazem sentido, exatamente como se uma criança tivesse desenhado tudo num mapa.
  48. Os colégios fecham cedo e até as 11h30 da manhã as ruas estão cheias de alunos. Logisticamente isso é irritante, porque muitos dos alunos são jovens e complicam o trânsito. Mas, também é triste porque o nível de educação sofre por causa da falta de tempo de estudo. Também acho triste porque os alunos com famílias mais ricas conseguem estudar depois, em aulas particulares, enquanto os de famílias menos ricas trabalham ou cuidam dos irmãos.

Cliente Riversides Shikki Madero é tratado assim…

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Diz a propaganda que “a vida é feita de decisões e que a cada momento fazemos opções que nos levam a um novo caminho….E, que o Riversides tem o privilégio de ser a escolha de centenas de pessoas.”

A rede inaugurada em 1992 sempre presou desde sua fundação por oferecer uma gastronomia diversificada e excelente. Entretanto, seu mais novo empreendimento, localizado na Zona Sul de Porto Alegre, O Riversides Shikki Barbecue & Asian Bistro, parece não estar muito empenhado em manter o padrão de qualidade, sofisticação e elegância dos outros empreendimentos da rede.

Desde sua inauguração, o Shikki vem lutando com problemas de atendimento, garçons mal treinados e a alta rotatividade da equipe são apenas alguns dos problemas do restaurante. Sou frequentadora regular do estabelecimento, mais na parte de Sushi confesso, no feriado do dia das crianças, fomos com um grupo de amigos jantar no Shikki…

Devo dizer, que naquela oportunidade, o atendimento se esmerou na arte de ser ruim, chegamos e fomos rapidamente estacionados em uma mesa, o garçom pegou os pedidos e mais de 30 min. depois as primeiras bebidas foram servidas e isto foi só o começo da saga que se fez mais ou menos assim:

1) As bebidas demoraram para ser servidas e ao final foram cobradas em duplicidade, fato este acontecido não somente naquele dia, mas também com outras pessoas com quem falei.

2) Como se não fosse suficiente o problema de termos que implorar para os sushimen cortarem sashimis, eles o fazem de extrema má vontade e em quantidade insuficiente. E, naquele dia, ainda por cima o salmão estava congelado e um dos sushimen estava trabalhando como dedo cortado! (Fiquei sabendo que um dos meus vizinhos passou 3 dias com infecção intestinal, após fazer uma refeição no Madero).

3) Assim, que sentamos pedimos 7 Temakis, jantamos e duas horas depois os Temakis ainda não tinham sido servidos, procurei o gerente e qual foi a resposta: Desculpe, mas estamos com problemas com os Temakis, mas aqui está um pires de Monte Fuji (uma cópia bem mal feita do Sashiburi, por sinal)…Hahaha, imagine a cena, um pires de Monte Fuji para 7 pessoas que ordenaram 7 Temakis e que mal conseguiram comer um pouco de sashimi. Fala Sério?Sem noção!

Se continuarem assim, o restaurante vai rapidinho deixar de ser uma extensão de nossas casas e passaremos a fazer nossos momentos em outros lugares, afinal não há custo-benefício que justifique este tipo de atendimento!

Exame Nacional da OAB: Uma triste conclusão!

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Recentemente, nós advogados, recebemos a notícia de que mais de 88% dos bacharelandos e bacharéis de direito que se inscreveram no Exame Nacional da OAB foram reprovados. O número, para aqueles que acompanham o Exame não surpeendeu, pois na edição anterior mais de 90% dos candidatos haviam sido reprovados.

A OAB em nota oficial manifestou-se dizendo que tais resultados somente vem a comprovar um fato público e notório: a péssima qualidade do ensino jurídico em nosso país.  A primeira medida tomada pela OAB nacional, através de seu presidente Ophir Cavalcante, para mudar esta situação, foi a de elaborar uma lista dos cursos que não tiveram nenhum candidato aprovado e apresentá-la ao MEC, pedindo que esta entidade passe a supervisionar de perto tais instituições, de forma que estas passem a cumprir metas estabelecidas pelo Ministério, para que no futuro próximo não venham a ter as vagas ofertadas reduzidas, seus cursos suspensos ou, até mesmo, fechados. O presidente, ainda, sugeriu que  o Conselho Nacional de Educação seja mais rigoroso na aprovação de abertura ou expansão dos Cursos Superiores de Direito.

Segundo ele, devido ao fato de se ter a cada ano novas vagas aprovadas e novos cursos autorizados, muitos desses com vestibulares que não exigem tanto quanto os de antigamente e ainda outros que nem mesmo exigem que seus alunos façam vestibular, a realização do Exame Nacional da OAB é cada vez mais necessária!

O MEC, em rápida resposta aos anseios da OAB, nesta quinta-feira, publicou no D.O.U a suspensão de cerca de 11 mil vagas de 136 cursos de direito que tiveram resultados insatisfatórios em avaliações posteriores e que  obtiveram Conceito Preliminar de Curso (CPC) 1 ou 2 em 2009, um dos indicadores da qualidade do ensino elaborado a partir das notas obtidas no ENADE, da titulação e do regime de trabalho do corpo docente e também da infraestrutura dos cursos.

A OAB, no esteio do MEC, nesta sexta-feira anunciou também o lançamento do seu Selo de Qualidade, o Selo OAB, que tem por objetivo  levar à sociedade uma referência confiável e organizada sobre as instituições de ensino que se mostram compromissadas com a oferta de um ensino em Direito sério e de qualidade. O Selo não é um ranking, mas sim uma publicação que reunirá o nome das instituições que apresentam resultados satisfatórios de qualidade no ensino do Direito e será o resultado do cruzamento dos resultados obtidos no último ENADE e daqueles obtidos no último Exame da OAB.

Faço votos que todas estas medidas venham a a dar frutos rapidamente afim de mudar a triste realidade atual! Qual seja esta, a de fecharmos os olhos para o real problema: no Brasil não precisamos de mais cursos superiores de Direito, mas sim cursos de qualidade, com vestibulares que realmente avaliem os estudantes e instituições que não somente visem o lucro fácil obtido através de seus cursos.

O problema maior da reprovação dos alunos, não perpassa somente pelos cursos de direito de baixa qualidade, deve também ser analisado do nível de estudo anterior. Afinal, como queremos que um estudante de direito passe na prova da Ordem, se este sai do colégio sem nem mesmo saber ler ou interpretar um texto?!?Não tirando a culpa dos cursos de direito, mas o problema começa muito antes, nos bancos escolares onde, atualmente, não se vê mais os estudantes despreparados sendo reprovados!

(Gostaria muito de saber, quantos dos estudantes que passaram no Exame da OAB são egressos de Escola de Ensino Médio Públicas, de Escolas Privadas e ainda quantos destes entraram nas Universidades Federais através do Programa de Cotas. E, o mais importante, quantos dos novos advogados fizeram cursos preparatórios e quantos exames eles prestaram).

Enquanto a Educação neste país não for levada a sério, nada temos a fazer senão continuarmos criando medidas paliativas e emergenciais de saneamento educacional, esta é a triste conclusão!

Sacolas Plásticas: da Vilania à Expiação.

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Em se tratando de Sustentabilidade ambiental a bola da vez é, sem sombra de dúvida, a utilização das sacolas plásticas.Seriam elas as reais vilãs do século?Esta é a pergunta que não quer calar.

Muito embora, alguns países economicamente desenvolvidos e também alguns estados brasileiros (Minas Gerais, São Paulo e Paraná) tenham proibido o acondicionamento de produtos em sacolas plásticas.Hoje sua culpabilidade já não é mais um ponto pacífico entre os estudiosos.

A bem da verdade, não há no mercado uma alternativa de substuituição à altura de nossas “vilãs”. Muitas das soluções ecologicamente corretas, como por exemplo sacos de papel ou as sacolas oxibiodegradáveis, tem se mostrado tão ou mais prejuciais ao ambiente do que suas antecessoras.

Na equação composta por consumidores, comerciantes e fabricantes de sacos de lixo, quem sai perdendo claramente é o consumidor. Aliás, somente os dois últimos  seriam os beneficiados pela substituição das sacolas plásticas, o varejo além de economizar quase R$ 200 milhões anuais ainda lucrará com a venda de sacolas retornáveis; e, os fabricantes de sacos de lixo, por sua vez, ficariam rindo sozinhos, já que o consumidor arcaria com um custo mensal de pelo menos R$17 reais (valor de um pacote de 40 unidades de sacos de lixo resistentes e de 15 litros).

E mais, o consumidor além de ser economicamente onerado ao comprar os substitutos das sacolinhas, ainda teria que comprar produtos destinados à limpeza e à manutenção das sacolas de algodão, isto tudo sem contar o tempo gasto na escolha do melhor e mais viável saco de lixo. Se, você leitor pensa que é fácil escolhê-los, fica aqui o convite, vá ao supermercado e veja quanto tempo se gasta escolhendo a cor, a marca, a quantidade e o preço. Sim, porque neste caso, as vezes o barato sai caro!

Levando-se em conta tudo isto, tem-se que os verdadeiros vilões são primeiramente as pessoas, que seja por falta de educação ou por preguiça, ainda não reutilizam ou descartam adequadamente as sacolas plásticas.E, claro, a indústria por trás disto, os fabricantes de sacos de lixo e, por quê não colocar nesta conta, os  fabricantes de produtos de limpeza?!?

As sacolinhas plásticas, coitadas, nada mais são do que o bode expiatório nesta questão!

Atendimento T.H.O.S. não é 10 é 1000!

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Em dezembro do ano passado, ganhei do meu maridão um IPad e assim que ele chegou em casa comecei a procurar por uma Case para ele. Não queria algo comum, portanto comecei a pesquisar nos sites americanos e na própria Apple que, infelizmente, apesar de ter o produto que escolhi (uma Case de couro vermelha que vira uma bolsa) não enviava o produto para o Brasil e a Apple daqui ainda não havia recebido o produto.

Depois de alguns dias de pesquisa, consegui achar o site do fabricante e, para minha surpresa, eles não só faziam vendas pelo site, mas também entregavam no Brasil…Após trocar alguns e-mails com a fabricante do produto (sim a Case é fabricada artesanalmente), optei por um certo modelo, entrei no site fiz a compra, paguei a vista com cartão de crédito o valor do produto, mais o do frete (U$179).

Assim que a compra foi confirmada, recebi uma notificação da fábrica dizendo que assim que ela fosse postada receberia o Número de Rastreio, tudo belezinha até aí….Passou uma semana e nada, dei mais um tempo já que era época de Natal e Ano Novo e sempre as entregas, neste período costumam atrasar…No começo de janeiro recebi um e-mail, onde a fabricante pedia mil desculpas, mas infelizmente o modelo de Case escolhido por mim, devido as vendas na Apple, estava esgotado em seu estoque e que só haveria a possibilidade de me entregar o produto em dois meses…Ela dizia ainda, que sabia que era muito tempo de espera, então se eu aceitasse a troca do produto escolhido por outro mais completo e obviamente mais caro, ela me enviaria naquele instante o produto…

Escrevi para ela perguntando qual seria a diferença de custos, prontamente ela me respondeu dizendo que o produto custava U$50 a mais, mas que não me preocupasse, pois como o erro havia sido da loja ela não me cobraria a diferença.

No começo de março, recebi a minha Case (ficou retida quase um mês na Receita Federal), fui ao correio paguei os impostos e qual não foi a minha surpresa, quando ao abrir o pacote havia uma carta de desculpas, que dizia que devido a todos os problemas e atrasos sofridos, a empresa decidira não me cobrar pelo produto e nem pelo frete.

Como se vê, nos USA a máxima “o Cliente sempre tem razão” ainda é válida e eles presam muito as relações comerciais, ao contrário do que acontece no Brasil. Onde, em alguns casos, ficamos esperando durante meses nossas encomendas e quando elas chegam erradas temos ainda que arcar com o segundo frete (de devolução), para só assim talvez termos estornado os valores pagos pelo produto, um verdadeiro absurdo!

Enquanto comerciantes americanos arcam com suas responsabilidades, os brasileiros não assumem simplesmente nenhum risco!

Parabéns T.H.O.S. pelo excelente tratamento dispensado ao cliente!

Comprar da Ana Beauty é assim…Não seja enganado…Desfecho…

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Quando já havia dado por encerrado este capítulo, não é que chega a resposta da lojista sobre a troca solicitada por mim:

“Em 13/05/2011 00:22, pedidos escreveu:

Oi Joseli

Me envie o produto que deseja devolver para….(anteriormente havia postado o endereço divulgado na caixa entregue pelo correio, cf. requerido em recente e-mail decidi retirá-lo: ‘Joséli Retire o endereço de nosso escritório de seu site . isso não é correto quer continuar dando sua opinião sem problemas mais não forneça nosso endereço, isso nos deixa vulnerável a roubos, sequestros colocando os funcionários e a família da Ana Beauty em risco Sem Mais M.”)

Sinceramente, não sei se ria ou chorava com tal resposta, imagina se iria ser trouxa de enviar o produto de volta só na boa-fé acreditando que ela iria depositar o dinheiro na minha conta, dinheiro este que já estava com ela há 4 meses.

Então, no dia 16 de maio respondi:

—–Mensagem original—–

De: Joséli Jantsch [mailto:jantsch@terra.com.br]

Enviada em: segunda-feira, 16 de maio de 2011 20:51

Para: PEDIDOS

Assunto: Re: Encomendas erradas Entregues

Ana, olha só quando fiz a encomenda com vc, vc exigiu o pagamento integral da encomenda e quando está chegou para ser entregue vc me cobrou mais 2 reais e o frete..Portanto, o certo aqui seria que vc me devolve-se o $$ do produto R$48,00 e o frete, antes que eu te envie o produto!!!Assim como fiz com você, afinal confiança é uma via de mão dupla. O que nas minha contas seria 48 + 14, 50 = 62,50. E, isso que nem estou colocando no cálculo o tempo que vou perder indo ao correio e deixando meu trabalho de lado e nem o fato de ficar sem o produto que tanto queria! Acho que está na hora de vc assumir algum risco, não é mesmo? Joséli Costa Jantsch

Resposta final da lojista, em 21/05/2011: “Assim que o produto chegar será devolvido o dinheiro e o frete.”

Minha promessa final a ela: “Infelizmente para mim então será a última compra na sua loja, não posso simplesmente mandar o produto de volta sem nenhuma garantia de sua parte..O Interessante é que vc sempre quer tirar vantagem, exige que façamos o pagamento quando da encomenda, 98% dele ao menos, mas quando chega a sua vez de confiar é zero…bem que outras pessoas me alertaram que vc agia assim, mas quis dar um voto de confiança…Vou ficar com este prejuízo, para assim aprender a não comprar com amadores que nem mesmo conseguem cumprir prazos de entrega e entregar um produto corretamente.
E, se depender de mim, nenhuma das pessoas que conheço comprará do seu site!”

Então queridos leitores, fica aqui o aviso, se você quiser produtos da MAC, pense bem, não empenhe seu suado dinheirinho na Ana Beauty, vá a uma loja da MAC, pague um pouco mais, parcele no cartão de crédito e saia com o seu produto no mesmo dia, ainda estes produtos são achados em diversas outras lojas virtuais mais confiáveis (Sack’s, apenas 1 real mais caro e parcelado, p.ex). E, se você não tem pressa, procure por eles no Ebay, garanto que você vai pagar bem mais barato e receber corretamente e no prazo…Sem maiores problemas com trocas e sem a necessidade de receber em um mesmo dia mais de 10 e-mails com ameaças de processos por difamação e bullying virtual! Sim, fui ameaçada por ter postado um fato ocorrido (do qual tenho todas as provas e mais depoimentos de outras pessoas que passaram pelo mesmo problema ou por problemas semelhantes) e por ter dado a minha opinião sobre o atendimento de lojas…Que eu saiba o AI-5 acabou faz tempo, ou será que foi reeditado e não fui avisada, contar fatos e fazer sugestões não é crime, é simplesmente a realidade!

Eu, como consumidora e boa pagadora que sou, não mereço de modo algum ser tratada desta maneira. Gosto de comprar, pagar, receber no prazo e corretamente!

P.S.: Aqui fica mais uma sugestão, acho que a loja em questão deveria pagar um cursinho de português para seus funcionários, pois escrever você com Ç é para matar!

Homeopatia e outras Terapias Integrativas de Saúde – O Caminho da Libertação

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

De tempos em tempos, a sociedade médica alopata vem a público tentar, em vão, desmoralizar os tratamentos integrativos de sáude.

A bola da vez é a Homeopatia, hoje os tais médicos em questão, apoiados sem dúvida nenhuma pela grandes indústrias farmacêuticas, que a cada dia que passa encontram-se mais desacreditadas, estão a divulgar o Movimento “1023 – Homeopathy There’s is nothing in it”, que se baseia tão somente em um ato desesperado de pessoas que não tem segurança suficiente nas suas próprias práticas convencionais de cura e, portanto, precisam desesperadamente desconstituir as técnicas integrativas de cura.

O grupo de ativistas anti-homeopatia, se reunirá para tomar uma “overdose” de medicamentos homeopáticos, numa tentativa, ao meu ver um tanto infantil, de provar que os tratamentos homeopáticos não funcionam. O objetivos deste grupo de pessoas é denunciar o desperdício de tempo e dinheiro com remédios que, segundo o seu ponto de vista deturpado, não passam de água com açúcar (só neste quesito, já demonstram a sua total ignorância sobre o tema, já que a homeopatia não se baseia somente em glóbulos). Será que alguém já disse para eles que a homeopatia, assim como a alopatia, deve ser prescrita por alguém (médico homeopata) competente parar isto. Afinal, se tomarmos um “antibiótico (e nem precisa ser uma overdose) não indicado para o tratamento de uma infecção específica, ele também não funcionará. Qualquer tratamento, só irá funcionar, se obedecer a uma prescrição correta para o caso concreto. Então, doutores, por favor, não percam seu precioso tempo, provando teorias por meios escusos e sem sentido.

A prática da homeopatia é antiga e há mais de 30 anos é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e pela Associação Médica Brasileira. Os céticos tem como único argumento que alguns estudos “científicos” comprovam que tais medicamentos não funcionam, bem esta que vos fala afirma com toda certeza que muitos dos tratamentos alopáticos, tão incensados pelos médicos, também não funcionam e, nem por isto, sai por aí fazendo campanha contra a medicina tradicional.

O mais correto, ao analisarmos este quadro, seria a busca de um caminho do meio, onde pacientes possam fazer uso da medicina tradicional e das Terapias Integrativas de Saúde como tratamento complementar e preventivo de  manifestações patológicas. O caminho do meio, na filosofia, é aquele caminho através do qual  o ser humano de liberta!

Muito embora, alguns dos ditos expoentes da classe médica, insistam na teoria que os medicamentos homeopáticos não funcionam, eu sou a prova viva que eles funcionam e muito bem. Desde os três anos sofria crises severas de amigdalite, que prontamente eram tratadas com antibióticos, a cada crise, mais potentes…Aos 15 anos, resolvi tentar fazer uso de homeopatia, para prevenir tais crises (3 por ano) e, desde então, só me lembro de ter tido mais 2 crises…Hoje, nem sei mais o que é dor de garganta…

Desde os 17 anos, sofria de dores constantes na articulação do joelho, fui a vários médicos renomados que sempre me deram como alternativas, remédios antiinflamatórios e até mesmo me sugeriram cirurgia. Como conheço algumas pessoas que sim, pasmem, foram vítimas de cirurgias mal feitas de joelho (aliás este fato é bem mais comum do que se imagina). Optei, até o ano passado, por viver com a minha dor e com um diagnóstico de “probleminha” no ligamento cruzado que se revelou errado.

O que sempre tive no joelho foi Condromalácia Patelar, que graças aos dignósticos errados daqueles médicos renomados, nestes quase 20 anos evoluiu de forma bastante acelerada. Meu atual ortopedista, sugeriu então que eu fizesse sessões de fisioterapia e que tomasse um condroprotetor (caríssimo) por pelo menos 8 meses…Perguntei a ele se não havia outra alternativa de tratamento e foi então que ele me sugeriu que buscasse a fitoterapia ou a homeopatia. Hoje, após um ano de tratamento com a homeopatia, voltei a correr e já não sinto mais as dores que antes eu sentia. Claro que, aliei à homeopatia 2 sessões semanais de Pilates.

Além dos tratamentos bem sucedidos para as inflações de garganta e dores no joelho, consegui me ver livre do uso de anti-histamínicos para Rinite Alérgica, hoje totalmente controlada através da homeopatia e do uso de Terapia Floral. E, também, já não sofro mais de crises de enxaqueca e tão pouco de cólicas menstruais. Estou muito feliz com a opção que fiz de aliar a medicina tradicional ( hoje somente usada em situações realmente necessárias) com os Terapias Integrativas de Saúde (que me mantem longe do uso contínuo de antiinflamatorios, anti-histamínicos e antibióticos).

Graças à prevenção proporcionada através da homeopatia e da Terapia Floral, nas raras vezes que precisei fazer uso de antibióticos (2 vezes nos últimos 10 anos), não precisei comprar os chamados Top de Linha, pois os mais básicos voltaram a dar conta do recado.

Assim como eu, outras pessoas de meu círculo profissional seriam plenamente aptas a dar seus relatos de sucesso com o uso da homeopatia aliada a medicina tradicional. Entretanto, apesar dos inúmeros depoimentos existentes neste sentido e apesar de tanto a Homeopatia como as outras Terapaias Integrativas de Saúde (entre eles a Terapia floral) serem recomendados pela Organização Mundial de saúde; seus críticos, em um último suspiro de desespero afirmam que o uso de tais tratamentos diminui a confiança do público na medicina tradicional, fazendo com que pacientes com doenças graves não procurem tratamento médico, conforme as palavras de Drauzio Varella: “Não conheço médicos que já não tenham atendido doentes seriamente prejudicados por práticas alternativas”, numa demonstração clara de total ignorância.

Ora, assim como ele conhece médicos que trataram pacientes advindos de tratamentos integrativos sem sucesso , conheço muitos médicos homeopatas e praticantes credenciados de terapias integrativas de saúde, que já trataram inúmeros pacientes mal diagnosticados e também vítimas de erros médicos, tratados por médicos adeptos da medicina tradicional. Então, por favor, nem tanto ao mar, nem tanto a terra, pois em todas as profissões encontramos charlatões e pessoas despreparadas.

Para aqueles que pesquisam a fundo o tema, que fazem uso da homeopatia e das terapias integrativas de saúde, associados aos tratamentos convencionais, fica evidente que a recusa pela procura destes últimos encontra-se ligada ao fanatismo de alguns médicos praticantes da homeopatia, que pregam a não necessidade e o abandono total da medicina tradicional. E, além disto, a já descrença da população, que encontra-se cansada de tomar remédios (ratos de laboratório modernos) desnecessariamente ou que não apresentem os resultados esperados.

Como usuária e Terapeuta Floral, afirmo que  as Terapias Integrativas de Saúde  associadas à medicina tradicional, tem-se revelado muito eficazes, reduzindo enormemente o tempo de tratamento de algumas enfermidades e também prevenindo muitas delas. Ou seja, ao meu ver seu uso e sua prática, em última análise, se bem empregadas em um longo espaço de tempo, não representariam um gasto aos cofres públicos, mas sim uma economia substancial! Fato este, que claro, não seria interessante nem à indústria farmacêutica alopática (que deixaria de ganhar milhões) e nem àqueles profissionais da saúde, que em vez de se ocuparem da prevenção de doenças, só querem saber de encher seus consultórios de pacientes, para somente tratar do sintomas, sem nem se dar o trabalho de pesquisar as causas, por trás da enfermidade!

Enquanto a sociedade, como um todo, não exigir profissionais de saúde aptos à analise das causas e não tão somente das consequências, continuaremos reféns deste fabuloso “Capitalismo Médico e Farmacêutico”! Abram os olhos, enquanto é tempo, digam não aos movimentos que buscam limitar seu direito de escolha, que nada mais são do que limitadores da Democracia!

A prevenção é sempre a melhor opção!!!E, o Caminho do Meio, é o Caminho da Libertação!!!

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: