É Duro Viver no Brasil: 48 Razões pelas quais Gringos e Brasileiros não voltariam a viver no Brasil!!!

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

Recentemente, um texto de 2012, elaborado por um americano que morou em SP por três anos, voltou a ser alvo de pol^mica no Facebook. E, pasmem vcs meus queridos leitores, que apesar de quase todos os motivos serem verdadeiros e serem alvos de nossas reclamações, muitos brasileiros se sentiram ofendidos pelo fato de um gringo estar esfregando na nossa cara a verdade.

Por tudo isto decidi fazer uma pesquisa rápida e descobri que além deste gringo, outros gringos de outros países reclamam das mesmas coisas e que também brasileiros, que hoje já não mais vivem por aqui também os elencam como motivos para não voltarem. E, que cerca de 75% dos brasileiros que leram a lista concordam com ela, sim foram feitas enquetes).

Segue abaixo a lista de motivos, assim distribuída: em preto, os motivos dos gringos; em negrito, os motivos dos brasileiros; e, em vermelho, os motivos que ambos concordam.

  1. Brasileiros nunca admitem que o país é um lugar ruim para viver. No Brasil se paga muito mais e se trabalha muito mais para atingir um padrão de vida mais simples de se atingir em outros países. (aqui eu sou a exceção, pois concordo que aqui seria um lugar ótimo para viver, se as regras de convivência e as leis fossem respeitadas).
  2. Brasileiros não têm nenhuma consideração por aqueles que não fazem parte de seu círculo social. Por exemplo, um vizinho que toca música alta durante toda a noite. Mesmo se você for lhe pedir educadamente para abaixar o volume, ele vai mandar você “tomar no **”.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Passava noites sem dormir porque o vizinho fazia aniversário e a festa vazava para o prédio todo. “Relaxa, merrmão, é só uma vez por ano”, justificava o merrmão. Mas, vem cá, conta comigo: uma vez por ano vezes 100 apartamentos é igual a… Enfim, todo mundo era bonito, todo mundo era bacana, todo mundo era dourado – e ninguém por ali tinha qualquer senso de comunidade ou respeito pelo outro. Todo mundo tinha todos os direitos — e nenhum dever.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Era impossível para mim viver num lugar onde o contrato social foi rasgado. Em nosso país, se estabeleceu há muito tempo (desde sempre?) a ideia do cada um por si. Isso torna, no limite, a vida social impossível. E o dia-a-dia, em todos os níveis, um salve-se-quem-puder.
    3. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: “Os americanos querem o melhor para o país deles. O brasileiro quer o melhor para ele”. Os americanos pensam na sociedade, os brasileiros pensam em si mesmos e o resto que se…dane.” As pessoas respeitam umas às outras no trânsito ou na calçada. Ninguém incomoda o sono de ninguém. Os vizinhos respeitam uns aos outros e se não respeitarem a lei persegue e pune os transgressores, sem sombra de dúvidas. Tem festa sim mas tem lugar e hora para isso sem contar a organização.
  3. Brasileiros querem ganhar vantagem em tudo. É como um “instinto de sobrevivência”. O melhor exemplo é no trânsito. Se eles tiverem uma forma de ultrapassar você, assim o farão. E, o melhor exemplo disto são os motoboys, os motociclistas acreditam que têm prioridade sobre todos outros. Não respeitam semáforos fechados, passam entre os carros sem cuidado, não comunicam nada. É como eles se fossem os reis da cidade..
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: De que adianta um lugar ter sol-e-mar-e-gente bonita se o cara do seu lado ocupa um espaço (tanto físico quanto social) muito maior do que precisa, não dá a mínima para você ou para os outros à volta, emporcalha tudo, fala os berros, quer sempre levar vantagem em tudo, te passa a perna…
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Entrou na loja? Atenção: testa bem porque tem produto que não funciona. (Depois se vira para resolver com o fabricante…) Pagou em dinheiro? Confere o troco porque a chance é grande de vir faltando. Passou o cartão? Fica de olho porque a máquina pode ser “chupa-cabra”.
    3. Declaração de uma americano que mora no Brasil desde 2013: Zero, absolutamente zero autoconsciência espacial. Parando carros em faixas ativas, ficando na calçada olhando o celular durante a hora de rush, a inabilidade de seguir numa linha reta. Isso é a realidade e é assustadora.
  4. Brasileiros não respeitam o meio ambiente. Eles jogam lixo na rua, na natureza… em qualquer lugar. As ruas são realmente sujas. Os recursos naturais, abundantes, estão sendo desperdiçados. (Isto, sem falar das praias no verão que viram um lixão a céu aberto).
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: O problema do lixo é realmente enorme. Claro que é politicamente complicado, mas não faz sentido jogar plástico na rua ou no rio do bairro onde você mora, ou qualquer outro lugar. Se existe um cesto de lixo, pelo menos o use.
  5. Brasileiros toleram tranquilamente corrupção nos negócios e no governo. E a população continua reelegendo as mesmas pessoas. (vide que muita gente continuará votando 13 nas próximas eleições).
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013:  Existe adoração demais por líderes individuais que devem salvar o povo. Seja Lula, Jair Bolsonaro, o Papa, pastores evangélicos, tantas pessoas elevadas à categoria de herói vão vai, inevitavelmente, trair ou falhar.
  6. Brasileiras são excessivamente obcecadas com seus corpos e muito competitivas uma com as outras.
    1. Declaração sobre o Brasil de uma brasileira que mora na Espanha: “No Brasil para eu ser feliz, tinha que está me apresentando no Shopping e cada dia com uma roupa, aqui eu aprendi que a felicidade não está nesses lugares e que a auto-estima não está diretamente relacionada com ir ao salão arrumar o cabelo, fazer as unhas, se maquiar. Você sabe que no Brasil eu não tinha uma vida de luxo, um padrão alto, que eu me incluísse como uma patricinha, mas ao passar tanto tempo fora e observar os valores sociais, econômico e culturais do lugar em que, hoje eu vivo, a percepção de vida mudou e mudou muito”
  7. Brasileiros, principalmente homens, são altamente propensos à traição. A menos que nunca saiam de casa, as chances são grandes. (pesquisas conformam isto).  E isto não é apenas um estereótipo. Homens na sociedade brasileira são condicionados a acreditar que eles são mais “viris” por saírem com várias mulheres.
  8. Brasileiros não ligam de expressar opiniões negativas a respeito de outras pessoas publicamente, nem se importam de ferir o sentimento de alguém.
  9. Brasileiros, especialmente os que prestam serviços, são geralmente malandros, preguiçosos e atrasados.
  10. Os brasileiros vivem em um sistema de classes. Os ricos geralmente são muito arrogantes e insensíveis, e acham que estão acima do sistema. Já os pobres ganham tão pouco que não conseguem sair da pobreza. Isso é motivo, muitas vezes, para entrarem no crime ou se tornarem preguiçosos com relação ao trabalho, já que não têm esperanças de fazer um bom trabalho.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma brasileira que mora na Espanha: Aqui em Barcelona, eu moro no mesmo edifício que o motorista do caminhão de lixo, almoço no mesmo restaurante da moça que faz  a faxina do meu prédio, do rapaz que limpa a piscina, e é super normal, pois a diferença de “classe” é estupidamente menor. Aqui as pessoas andam descalça, descabeladas, com bobes no cabelo e ninguém se preocupa, as pessoas se vestem como querem e ninguém critica.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um brasileiro que mora na Austrália: o custo de vida na Austrália é alto, mas a diferença salarial não é astronômica como no Brasil e enquanto uma pessoa que trabalha como assistente de marketing em um escritório pode ganhar $25,00 dólares por hora, o faxineiro no mesmo escritório pode ganhar o mesmo.
    3. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Não é à toa que um carteiro vive aqui como uma pessoa rica vive no Brasil. Tem casa de 250m² com ar condicionado e piscina em um bairro arborizado. É óbvio que isso não é a realidade de 100% dos habitantes desse país mas pelo menos aqui isso é possível, no Brasil não.
  11. Brasileiros constantemente interrompem o outro para poder falar. Tentar conversar é como uma competição para ser ouvido. (é só tentar assistir qualquer debate na TV ou qualquer programa de entrevistas que isto fica evidente).
    1. Declaração de uma americano que mora no Brasil desde 2013: Concordando com aquela lista original, é muito comum ser interrompido quando está falando. É grosso e ninguém reconhece que faz.
  12. A polícia brasileira é ineficaz quando se trata de cumprir leis e proteger a população, como cumprir a legislação de trânsito, ou encontrar e prender ladrões. As leis existem, mas ninguém as endossa. As pessoas vivem com medo, constroem muros ao redor de casa, ou pagam altas taxas para morar em condomínios fechados.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: De que adianta ter os amigos e a família por perto, e viver próximo das suas raízes, falando a sua língua materna, se todo dia você sai de casa sem saber se vai voltar – se as ruas da sua “cidade civilizada em um país democrático” respira um clima de guerra civil, expresso em um número de mortes semelhante ao de regiões deflagradas na África ou do Oriente Médio?
    2. Declaração sobre o Brasil, de um brasileira que mora na Espanha:  É que depois de aprender a cruzar uma rua pela faixa de segurança sem nem precisar olhar para os lados ou me acostumar a voltar para casa a pé às 3 da manhã, desfrutando do cheiro das flores e do silêncio da madrugada sem precisar olhar para trás, pensa um dia em regressar à sua pátria amada? Quem depois de dar risada (ou se irritar, no meu caso) com as crianças de uniforme do colégio jogando bola em plena praça central, de se habituar a pegar a sua bicicleta e fazer um piquenique no parque público ou de ver uma roda de velhinhos e velhinhas tomando cerveja (sem álcool) felizes e cheirosos no mesmo bar que a garotada de 20 anos, pode cogitar a hipótese de não viver mais essas coisas, aparentemente tão banais, mas que no Brasil parece que há muito tempo não existe?”
    3. Declaração sobre o Brasil, de um brasileiro que mora na Austrália: Já falei diversas vezes aqui sobre a segurança que se tem na Austrália, mas o que percebi é que segurança não deve ser um luxo, mas algo disponível a todos. Só notei o quanto a Austrália é segura quando voltei em férias para o Brasil. Depois de um tempo aqui você vai se acostumando tanto com a segurança de abrir um Macbook no ônibus ao caminho para o trabalho, tirar um iPhone do bolso no centro da cidade sem ter qualquer tipo de preocupação, andar de carro às 2 da manhã de janela aberta e ainda parar em frente a praia para curtir a paisagem que você acaba nem dando valor.
    4. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Os últimos anos que passei no Brasil foram muito difíceis para mim. Já não suportava mais a violência da cidade de São Paulo. O Brasil já é o 6º país mais violento do mundo e a moda agora em SP é ter carro à prova de balas, acredita? Quando eu conto isso aqui as pessoas pensam que eu estou brincando. Aqui nos USA,onde eu moro, as janelas da minha casa não têm grades e eu posso ver o gramado das casas ao redor. Nos finais de semana os carros ficam abertos em frente às casas e os pedestres sequer olham no seu interior. Eu ando pelas ruas sem medo, sem ter que olhar para trás ou certificar-me que minha carteira está no bolso da frente e o mais impressionante, não tenho medo da polícia.
    5. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Nasci e cresci em São Paulo e nunca percebi o quanto  me incomodava com a questão da insegurança até eu ser exposta a uma realidade completamente diferente. Aqui na Califórnia são raros os casos de assalto a mão armada, as pessoas saem com o computador na rua sem dó, e o que eu acho mais fantástico, existe uma cultura de acampar em lugares remotos sem medo.
  13. Brasileiros tornam tudo inconveniente e difícil. Nada é pensado para facilitar a vida do cliente. Além de terem uma alta tolerância com uma burocracia desnecessária e redundante.
    1. Declaração de um americano que vive no Brasil desde 2013: A burocracia. Gente, posso escrever um livro sobre esse problema. Todos sabem que existe, ninguém sabe como resolver, então o povo aceita sem reclamar. Essa abordagem é mais saudável psicologicamente, mas é também super frustrante.
  14. Brasileiros toleram impostos altos e taxas de importação que tornam tudo (especialmente produtos de casa, eletrônicos e carros) inacreditavelmente caros. E para os empresários, seguir as regras e pagar as taxas tornam quase impossível fazer lucro.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um paulista que mora nos USA: Quando você visita os EUA percebe que tudo aqui tem qualidade e preço justo. O governo brasileiro corrupto que coloca altas cargas tributárias nos ombros dos brasileiros e o próprio brasileiro que por ganância quer ganhar 100% ou mais de lucro em qualquer produto ou serviço. A cultura do “levar vantagem” me mata!
    2. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: mesmo pra mim que nunca fui das mais consumistas a oferta de produto e o preço da maioria das coisas é tão diferente do Brasil que é impossível não aproveitar. De jantares a passeios, de roupas a produtos pra casa (quase) tudo é infinitamente mais barato que no Brasil.
  15. O Brasil é quente como o inferno durante nove meses do ano, e nenhuma casa é isolada hermeticamente ou construída com dutos de ar. Então você sofre por nove meses, ou fica confinado em um pequeno quarto com ar-condicionado. Nos outros três meses, quando fica “frio”, você congela à noite. (quem é do Sul, é obrigado a concordar com isto, não temos calefação nas casas p.ex. e poucas delas tem chuveiro a gás).
  16. A comida no Brasil pode ser mais saudável, mas é sem graça, repetitiva e muito inconveniente. Alimentos congelados, processados ou prontos são poucos, caros e ruins.
  17.  Brasileiros são sociáveis e raramente passam algum tempo sozinho. Isso não é necessariamente ruim, mas você é socialmente obrigado a convidar outras pessoas para frequentar sua casa todo fim de semana.
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Se está querendo fazer planos para o final de semana, não vai dar. Porque já tem 14 festas de aniversário e vai ter que faltar mais nove.
  18. Brasileiros ficam muito perto, emocionalmente e geograficamente, de suas famílias de origem durante toda a vida. Isso também não é uma característica ruim, mas isso afeta meu casamento. Os brasileiros adultos nunca cortam o cordão emocional com suas famílias de origem, que continua se envolvendo na sua vida, nos seus problemas e nas suas decisões.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Os americanos são N vezes mais independentes que nós que crescemos – de certa forma – mimados e acostumados a ter ajuda pra tudo. Aqui a galera se vira mesmo, de fazer a limpeza pesada da casa, até trocar uma peça do carro que quebrou. Pra quem nasceu acostumado a essas molezas, ter que aprender essas coisas de velho é chato pra caramba!
  19. Eletricidade e serviços de internet são absurdamente caros e ruins.
  20. A qualidade da água é questionável.
  21. No Brasil só existe um tipo de cerveja (aguada), que é uma porcaria. E, claro, cervejas importadas são extremamente caras.
  22. A maioria dos motoristas de ônibus dirige como se estivessem tentando quebrar o ônibus e a todos dentro dele. (Andar de ônibus no RJ, p.ex., na hora do rush, fazendo curvas a 80h é uma verdadeira façanha).
    1. Declaração de uma americano que vive no Brasil desde 2013: Outra coisa da lista original que parece verdade: os motoristas de ônibus são maníacos. Quando atravesso a rua, eu sinceramente acredito que eles estão me tentando matar.
  23. As calçadas são cobertas com xixi e cocô de cães que latem dia e noite.
  24. Engarrafamentos toda vez que chove.
  25. Raramente as coisas são feitas corretamente da primeira vez. Você tem que voltar para o banco, consulado, escritório, mandar por e-mail ou telefonar várias vezes para as pessoas fazerem seu trabalho.
  26. Contratar e cancelar serviços é um verdadeiro inferno.
    1. Declaração sobre o Brasil de uma paulista que mora nos USA: Quem já tentou cancelar a conta da NET ou a assinatura de uma revista ou jornal sabe o sacrifício e a dor de cabeça que é tentar trocar/cancelar um prestador de serviços no Brasil. Aqui, pode até ser que demore para você conseguir falar com a atendente telefônica, mas passada a espera inicial o cancelamento é imediato.
  27. Ir a shoppings e restaurantes são as principais atividades. Não há nada para fazer sem gastar. Há somente um parque principal, sempre horrivelmente lotado.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma brasileira que vive na Espanha: “Não sei se algum dia volto ao Brasil, pelo simples fato de que não quero mais voltar ao Brasil. Eu gosto muito de morar na Espanha, gosto da vida que levo aqui. O que mais me chamou à atenção nestes meus 10 anos de Granada é que não é pobre quem menos tem, mas aquele que menos necessita. Eu aprendi que aqui eu não preciso de luxo para ser feliz, que mesmo tendo pouco dinheiro, eu posso me divertir com os amigos, frequentar teatros e ainda viajar de vez em quando.”
    2. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Não existe muita confiança em parques públicos. Chama a atenção especialmente na fronteira com Argentina. Achei um absurdo que no outro lado da fronteira todo mundo vai aos parques, mas no Brasil você precisa de gastar dinheiro para sair com amigos.
  28. Os mercados são ruins. Os produtos somem por semanas ou meses até voltarem às prateleiras.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Ir no supermercado aqui nos Estados Unidos, seja no Whole Foods que é mais natureba ou no Safeway que equivale a um Pão de Açúcar, é sempre uma diversão. São prateleiras e mais prateleiras de variedade, “n” opções de marcas e muitos produtos super práticos. O mesmo se aplica pra lojas de roupa, eletrodomésticos e etc…
  29. O acabamento das casas é péssimo. Janelas, portas, dobradiças, tubos, energia elétrica, calçadas, são todos construídos com o menor esforço possível.
  30. Árvores, postes, telefones, plantas e lixeiras são colocados no meio das calçadas, tornando-as intransitáveis.
  31. Você paga o triplo por produtos que vão quebrar em um ou dois anos, talvez menos.
  32. Carros com som alto à noite fazem tremer a casa.
  33. Brasileiros amam estar bem no seu caminho. Eles não dão espaço para você passar.
  34. As pessoas vão apertar e empurrar você sem pedir desculpas. No transporte público você vai tão apertado que é incapaz de mover qualquer coisa, além de sua cabeça.
  35. Brasil é um país com preços inflacionados para itens de qualidade ruim. Para se ter uma ideia, São Paulo é a 10ª cidades do mundo mais cara para se viver. Nova York está em 32º.
  36. Por favor, parem de dizer que a “comida é a melhor do mundo”. No meu país também há arroz e feijão. O item mais comum no cardápio é, geralmente, “Infelizmente, acabou”. Se um restaurante só oferece cinco coisas, COMO QUE, NUMA SEXTA-FEIRA, NÃO TEM MAIS DE DOIS DISPONÍVEIS?!
  37. Zero respeito com os pedestres. (excetuando alguns poucos lugares com Brasilia, Gramado e Canela, p.ex.).
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Vai a pé? Cuidado: os veículos não param para os pedestres, nem as bicicletas respeitam quem está a pé.
  38. Fogos de artifício a todas as horas.
  39. As pessoas não entendem o significado de “fazer uma fila”. A ideia é empurrar o que quer que seja à sua frente.
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: A vida é muito curta para passar os dias batendo de frente com gente que não entende as mínimas regras de convívio social e que é orientado desde pequeno, na família, na escola, a resolver as coisas batendo, xingando, usando os cotovelos e mostrando o dedo médio aos outros pela janela — seja do SUV novinho em folha ou do Chevette sem placa.
    2. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: Estive em São Paulo em 2012, numa viagem excepcional. Mas, para cada experiência vivida, foi preciso matar um leão. Comprar um bilhete de qualquer coisa numa fila sem ser ludibriado é quase um milagre. Tem sempre alguém querendo passar na sua frente. Entrar num trem ou no metrô é outro desafio. Embarque e desembarque acontecem concomitantemente, desafiando aquela lei da física que diz que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo.
    3. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Detesto (e sempre detestei) gambiarra, sabe aquele jeito espertalhão de querer sempre levar a melhor? Aqui não tem essa história de furar fila, de parar em vaga de deficiente. As regras são super claras (muitas vezes duras para o nosso padrão) mas as coisas funcionam.
  40. Dizer que São Paulo é a “Nova York da América do Sul”. Isso somente se NY fechasse às 22h.
    1. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: A gerência de empresas é bem ilógica. Como que um restaurante pode estar aberto apenas 10 horas por semana e não ir à falência? E muitas vezes acho que os gerentes não entendem que o cliente (até aqueles que reclamam e brigam) é a fonte do seu bem-estar.
  41. Todas as cidades brasileiras (com exceção talvez do Rio e o antigo bairro do Pelourinho em Salvador), são feias, cheias de concreto, hiper-modernas e desprovidas de arquitetura, árvores ou charme. A maioria é monótona e completamente idênticas na aparência.
  42. Tudo é construído para carros e motoristas, mesmo os carros sendo o triplo do preço de qualquer outro país.
  43. Brasileiros, de classe média, geralmente, tem empregos com remunerações que servem somente para pagar as contas.
  44. Brasileiros, de modo geral, se atrasam para compromissos sociais, reuniões de trabalho e entrevistas de emprego e, claro, quase sempre, colocam a culpa no trânsito. (não é o meu caso, sempre chego com 15-30 min. de antecedência, mas não me ofendo com a generalização).
    1. Declaração sobre o Brasil, de um carioca que vive em Tóquio: E o encontro marcado às sete só acontece às oito porque a maioria das pessoas não se preocupa verdadeiramente em chegar na hora.
    2. Declaração de um americano que mora no Brasil desde 2013: Tudo atrasa. “Daqui a pouco” significa “em duas horas”. Esperar uma hora não é nada traumático e, se reclama, você é mal-educado.
  45. A locomoção no Brasil não é um direito, mas mais um símbolo de poder de classe – o transporte público é ruim para sublinhar o poder e os privilégios de quem pode ter um carro.
  46. Estradas e Ruas com péssima sinalização e manutenção.
    1. Declaração sobre o Brasil, de uma paulista que mora nos USA: Dirigir sem medo de deixar parte da minha roda na estrada é uma das minhas grandes alegrias ao viajar. A diferença é tanta que  aqui os carros duram bem mais.
  47. O sistema de trânsito foi mal planejado. Vira à direita e o semáforo fechou com a fila bloqueando o tráfego; as ruas muitas vezes não fazem sentido, exatamente como se uma criança tivesse desenhado tudo num mapa.
  48. Os colégios fecham cedo e até as 11h30 da manhã as ruas estão cheias de alunos. Logisticamente isso é irritante, porque muitos dos alunos são jovens e complicam o trânsito. Mas, também é triste porque o nível de educação sofre por causa da falta de tempo de estudo. Também acho triste porque os alunos com famílias mais ricas conseguem estudar depois, em aulas particulares, enquanto os de famílias menos ricas trabalham ou cuidam dos irmãos.

Porto Alegre e a Copa do Mundo de 2014

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

É inegável o fato de que a eleição de Porto Alegre como uma das sedes da Copa do Mundo de 2014 trará inúmeros benefícios para a cidade como, por exemplo, o aumento do número de turistas e das vendas no comércio. Mas, será que a nossa capital está realmente preparada para sediar tal evento, ou melhor, será que ela em 5 anos ficará preparada para isto?
Não podemos fechar os olhos para alguns problemas graves que nossa querida cidade enfrenta e enfrentará quando a Copa chegar:
1) Congestionamentos, apesar destes já se constituírem num dos principais problemas da cidade, sim, pois nós portoalegrenses os enfrentamos todos os dias e a todas horas do dia. Infelizmente, não vejo como a implantação da tão prometida linha de metrô vai resolver o problema. Poderá, na melhor das hipóteses, amenizar uma situação quase caótica.
2) Meios de Transporte, os atuais meios disponíveis com certeza não darão conta do recado. Hoje, já não conseguem suprir as necessidades de seus usuários que, muitas vezes, dependendo da linha de ônibus que precisam utilizar, são obrigados a ficar por mais de 20 minutos na parada. Isto, sem considerarmos outro fato importante, não há um linha de ônibus que interligue alguns bairros da Zona Sul da capital com os bairros da zona Norte. Ou seja, os turistas terão que fazer uso, para alguns passeios, de duas linhas de ônibus, fator nada prático para o turista, que busca praticidade.
Por fim, ainda devemos levar em conta outro agravante do sistema de transporte da capital, como será que turistas, motoristas e cobradores farão para se comunicar, já que os primeiros chegarão sabendo falar suas próprias línguas e os outros, quando muito, arranham um portunhol muito mais ou menos, coitados daqueles que não falarem português, pois inglês e outras línguas nem pensar. Ou será, que haverá um intérprete em cada ônibus, lotação ou táxi?!?
3) Aliás, o problema da barreira linguística, também se aplicará ao atendimento em lojas, restaurantes e demais estabelecimentos comerciais.
4) Redes de hotéis, sim temos alguns bons hotéis, mas estes são caros e nem sempre do poder aquisitivo dos turistas. E, sinceramente, os mais baratos,  temos que ter muita coragem pra entrar!!!Nem sequer consigo imaginar, um turista se hospedando no em torno da rodoviária, por exemplo.
5) A criminalidade na zona central da capital é outro problema a ser analisado, bem como a limpeza urbana que em alguns lugares deixa a desejar, devido, principalmente a falta de lixeiras, que obriga os passantes a continuar jogando lixo nas ruas.
6) A manutenção das calçadas e caminhos públicos se constitui num verdadeiro entrave, a maioria de nossas calçadas estão quebradas ou em péssimas condições de conservação. Assim como as vias de tráfego, constituídas de paralelepípedos (um símbolo do atraso desta cidade, que será reconhecido internacionalmente, já que muitos turistas irão vê-los pela primeira vez em suas vidas) ou de asfalto em retalhos (em péssimas condições, encontrado,até mesmo, nos lugares recentemente recapeados). Tanto um quanto outro, se constituem num verdadeiro atentado aos carros modernos, que tem suas rodas amassadas e sua suspensão destruída pelo desnivelamento das ruas e dos bueiros que nelas se encontram!
7) Sinalização de logradouros, será que haverá tempo hábil para serem colocadas placas nas ruas com seus nomes, a maioria das ruas da capital não contam com esta facilidade!!!
8)Rede de saúde e Segurança será que contam com profissionais multilingues aptos ao atendimento dos turistas? Duvido muito, já que não dão nem conta da população local!!!

E, esses são apenas alguns, dos muitos problemas, a serem resolvidos antes da Copa de 2014. Será que teremos tempo?Ou, será melhor que a população local tire férias e libere a cidade para o turismo durante a Copa do Mundo?Eu já estou planejando as minhas e vocês?

* Este texto foi publicado pela primeira vez em maio de 2009, quando do anúncio oficial das Sedes da Copa, como vocês, queridos leitores, podem ver, a cidade pouco ou nada mudou desde então. O Ano de 2011 acaba de iniciar, alguns dos problemas continuam, outros se agravaram e outros surgiram:

1) Na Zona Sul de Porto Alegre, nas imediações do Barra Shopping Sul, por exemplo, há dois grandes condomínios construídos e ainda, há a previsão da construção de um grande complexo de 20 Torres, sendo 18 residenciais e 2 comerciais) pela Multiplan (empresa responsável pela construção do Shopping, revitalização do Jockey Club e, agora, também pela ampliação do Shopping em questão), . Pergunto, será que algum dos construtores ou mesmo a Prefeitura da Capital, já se perguntou onde as pessoas irão estacionar? Sim, pois além dos condomínios já existentes não contarem com estacionamentos para visitantes, não há previsão de construção de estacionamentos pagos no futuro complexo residencial. Então, se hoje já está difícil receber visitantes motorizados nos prédios existentes, imaginem vocês em 2014. Ah! o projeto de ampliação do Shopping, por enquanto, também não prevê a ampliação de suas vagas de estacionamento, que, aliás, desde o início foram incrivelmente mal planejadas, posto que o Shopping,em si, não conta com vagas cobertas, tornando assim a vida de seu usuário um verdadeiro inferno quando chove ou quando está muito frio. è uma verdadeira batalha campal conseguir uma vaga no estacionamento do Supermercado e quando se consegue temos que sair do Shopping antes do Super fechar, caso contrário, para chegarmos até nossos carros temos que passear no frio ou na chuva, pois na há acessos internos ao estacionamento depois que o Super fecha.

2) A criminalidade, antes restrita a certas áreas da cidade, se espalhou e, definitivamente, não podemos contar com o apoio de nossas autoridades, posto que estas sempre dão a mesma desculpa: “Não temos viaturas suficientes”. E, policiais só apareceram aos pares, em todas as ruas, no período eleitoral.

3) As vias, como a 3ª Perimetral, construídas para desafogar o trânsito, se constituem a cada dia que passa, na verdadeira piada da cidade: temos uma via construída para ser rápida, mas que, por vezes, a cada 30 metros conta com uma sinaleira, já que os pedestres não podem caminhar ( um verdadeiro estímulo ao ócio e a obesidade) uns poucos metros a mais para atravessar a rua em segurança! Nosso engenheiros de trânsito, cada vez que implantam uma nova sinaleira, dão atestado de burrice atroz, será que eles já ouviram falar de viadutos e elevadas?!? Será que algum deles já visitou algum país desenvolvido e teve a oportunidade de ver como funciona uma verdadeira via de trânsito rápido?!?Claro que não! Afinal, estamos na Cidade das Carroças, outra coisa que muitos turista vão ver pela primeira vez em suas vidas, em uma cidade que se diz: Grande!!!

Será que nestes 3 anos, teremos tempo suficiente? Sinceramente, acho que não e você leitor, o que acha?

Comebol versus Gripe Suína – Dilemas…

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro
Diz-se por aí que a Comebol está em grande dificuldade para fazer o carnê da próxima fase da Copa Libertadores da América, tudo por causa da Gripe Suína.
Acontece que nenhum dos times participantes desta edição do torneio quer ir jogar no México!
Fico aqui imaginando, será que não seria hora dos Grêmio Football Portoalegrense se oferecer, pois assim matariam dois coelhos com uma cajadada só, provariam irrefutavelmente sua “Imortalidade” e quebrariam um galho para Comebol…
Fica aqui a sugestão…
Por estas e por outras que a invencibilidade (em grenais, principalmente) é bem melhor que a imortalidade,rsrsrsr!!!!!

Desbravando a Serra Gaúcha

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro
Olá amigos, desde 2007, tenho viajado, quando posso, para a Serra Gaúcha.
Meu primeiro destino foi Nova Petrópolis, onde passei 10 dias maravilhosos noVilla Flor Ecoresort…Um amigo me indicou o lugar e após a indicação pesquisei sobre o mesmo na Internet (www.villaflor.com.br), vale o pena conferir o Ecoresort é tudo de bom e a descrição feita na webpage é muito fiel ao que eles realmente oferecem.Primeriamente, fiquei hospedada em um apartamento Studio, mas infelizmente ou felizmente para mim, o dono da propriedade ao lado do Ecoresort resolveu que tinha que cortar a grama de sua propriedade e então, todos os dias às sete da manhã ligava o cortador de grama, entrei em contato com a recepção e eles me realocaram, sem custos extras em um bangalô…Como era baixa temporada, recebia o café (maravilhoso) no quarto.
A cidade é tudo de bom, tanto para compras como para alimentação, a Galeria do Imigrante é uma excelente opção para compras de malhas e vestuário em couro e algodão natural, bem como para alimentação, pois possui um bom buffet a quilo com comida caseira e espeto corrido (só que neste caso, deve-se ter cuidado, pois praticam preços diferenciadamente mais caros para turistas em excursão). Ainda, em termos de alimentação, deve-se ir à Padaria Café&Cia, que a noite serve um excelente buffet de sopas e durante o dia toratas deliciosas e, sem sombra de dúvida, o mellhor chocolate quente da Serra!!!
Já, neste ano optei por passar o feriado de Páscoa hospedada em Canela, no Hotel Pousada Blumenberg (www.hotelblumenberg.com.br, onde o atendimento é de primeira e todos são super simpáticos e solícitos, o quarto em que fiquei deixou um pouco a desejar em relação as fotos apresentadas na webpage e também em relação à tranquilidade, pois ficava ao lado da recepção e na frente do salão de café (muito bom e com produtos produzidos na própria pousada).
Quanto a cidade de Canela, bem o atendimento em seus estabelecimentos comerciais varia muito, todos nas lojas são muito simpáticos, entretanto nos restaurantes e café o atendimento deixa a desejar, um exemplo de péssimo atendimento é o Café Empório Canela, onde fiquei sentada por mais de 10 minutos esperando que um garçom se dignasse a me trazer um cardápio e acho que estaria sentada lá até este momento esperando que ele anotasse o meu pedido, mas enquanto esperava vi que a mesa em frente a minha era atendida por três garçons diferentes, um verdadeiro absurdo, para uma cidade turística e um estabelecimento que deve primar pela excelência em atendimento. Andei por toda a avenida principal e não encontrei sequer um chocolate quente verdadeiro, todos eram feitos em estilo Nescau com leite ou Chocolate em pó com leite, ora sinceramente, pra tomar achocolatado não preciso sair de casa!!!
Agora, se você é como eu e gosta de fazer compras, aqui vão algumas dicas, os preços das malhas variam muito na Serra, se você quer economizar e fazer bons negócios, compre malhas em Nova Petrópolis, onde uma malha básica pode ser achada por R$18,00, enquanto que em canela a mesma malha custa em torno de R$30,00 e em Gramado R$38,00. Não deixe de ir as Lojas de Móveis e Decoração e nem de visitar as lojas especializadas em artigos de couro, mas tenha cuidado, pois como as malhas, um mesmo casaco pode variar de R$100,00 até 800,00, pesquise muito antes de comprar.
Para ir de Canela a Gramado, ou vice-versa, deixe o carro na garagem e vá de ônibus, há um linha circular ente as duas cidades, com tempo médio de 10 minutos de viagem (passagem R$1,70), é muito melhor e você não precisa se estressar em achar lugar para estacionar e com o pagamento de parquímetros!!!
Em Gramado, tome chocolate quente na Bruxa, não é ão bom quanto o de Nova Petrópolis, mas vale a pena! Almoce ou jante na Cantina Pastaciutta, é cara, mas vale cada centavo!!!E, não deixe de ir no Artesanato Art’s Paula (www.artspaula.com.br).

%d blogueiros gostam disto: