Empregado Terceirizado em Instituição Financeira

Empregado terceirizado da instituição financeira consegue isonomia com técnico bancário (TRT – 3ª Região)

Tendo como fundamento o princípio constitucional da isonomia salarial, a 3ª Turma do TRT-MG reconheceu a uma empregada terceirizada que prestava serviços à instituição financeira o direito de receber remuneração equivalente à categoria dos bancários, assim como os reajustes normativos e respectivos reflexos. “Isto porque não se pode admitir que a redução dos custos operacionais com a contratação de um bancário seja obtida à custa de permitir-se o trabalho, em favor dos bancos tomadores, de empregados de empresa prestadora de serviços exercendo atividades tipicamente bancárias, mas sem usufruírem as vantagens e os benefícios concedidos a essa categoria, por constituir flagrante ofensa ao princípio da isonomia, consagrado no artigo 5º, caput, da CF”- frisou o desembargador relator do recurso.

A recorrente havia alegado que a empregada terceirizada não exercia a mesma função dos funcionários do banco, mas apenas serviços de processamento de dados, atividade preponderante de sua empregadora, sendo que o serviço de digitação e conferência de dados de caixa rápido constituem apenas a atividade-meio de instituições financeiras, o que torna a terceirização legal neste caso. E, no mais, ainda que a Turma considerasse ilícita a terceirização, em se tratando de empresa pública, a reclamante faria jus apenas ao salário ajustado e aos depósitos do FGTS (por aplicação da Súmula 363, do TST) e não à equiparação com a categoria dos bancários. Mas o desembargador ressaltou que o pedido da reclamante teve como fundamento o princípio da isonomia, consagrado constitucionalmente, e não a equiparação salarial com funcionários do banco.

Apesar de considerar que a terceirização foi lícita, o relator considerou que as irregularidades na contratação dizem respeito à prestação de serviços bancários em instituição bancária, sem se assegurar ao trabalhador as vantagens próprias da categoria profissional. Nesse caso, cabe a aplicação analógica do artigo 12, “a”, da Lei 6.019/74, combinando com o artigo 8º, da CLT, que assegura ao trabalhador temporário a remuneração equivalente à paga aos empregados da mesma categoria profissional da empresa tomadora. Ou seja, o empregado terceirizado tem direito ao mesmo salário pago ao empregado da empresa tomadora que exerça a mesma função, além da extensão das vantagens e demais direitos previstos nas normas coletivas da categoria.

Quanto à alegação de que a extensão à reclamante das vantagens previstas para a categoria dos bancários ofenderia o artigo 37, II, da CF, o desembargador esclarece que houve apenas o reconhecimento do direito à isonomia com empregados do banco na função de técnico bancário, e não de vínculo empregatício com a empresa pública, o que afasta a incidência desse preceito constitucional. (RO nº 01027-2006-048-03-00-7)

Anúncios

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Cibele
    ago 13, 2012 @ 12:08:15

    looks awesome, thanks for the post.

    Responder

  2. Carlos
    out 10, 2012 @ 16:01:48

    maybe if you include more photos and videos your article would be more understandable.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: