E agora, o que farão os Órfãos da Terceira Via?

Por Joséli Costa Jantsch Ribeiro

* Texto Publicado na edição Eletrônica, do dia 20/08/2014, do Jornal da Zona Sul.

Antes da trágica morte de Eduardo Campos, o representante da tão aclamada terceira via, opção de sistema de governo surgida da necessidade por Mudança, tínhamos um quadro político quase que definido para o terceiro turno: Dilma X Aécio e Dilma X Eduardo Campos. E, se com Aécio sendo vencedor do primeiro embate, não acreditávamos que seria possível uma real mudança; já com Campos eleito, muitos brasileiros passaram a crer que um Novo Brasil seria possível!

Entretanto, e infelizmente, a providência divina não quis assim!

Marina Silva (sucessora de Campos), até tem tentado personificar uma falsa persona inovadora, mostrando ao povo um lado um tanto quanto moderno (quase beirando a bizarrice), mas quem a acompanha e conhece a fundo o seu histórico de “lutas” sabe muito bem que ela, na realidade, representa o oposto disto, seu ideário político se apoia em um comunismo oportunista e falacioso, que não deu certo em nenhum lugar do mundo!

Marina, não governará para a sua Inovadora turma de Militantes (composta por uma maioria de universitários, brancos, com até 24 anos), que acreditam na Mudança prometida. Ela, os usará para angariar votos. E, quando vencer, se vencer, se bandeará para sua verdadeira origem: seus correligionários petistas acrianos, aqueles a quem ela nunca abandonou e que deram a seu marido Fábio Vaz, o cargo de Secretário Adjunto de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis, no Governo Tião Viana (PT). (Fábio justificou sua permanência no cargo até agosto deste ano dizendo que, muito embora, seja um crítico veemente do governo Petista a nível nacional, não vê a necessidade de entregar seu cargo, já que para ele o Governo petista do Acre é diferente). Marina é aliada do PT no Acre e guarda uma amizade muito próxima a Tião Viana e seu irmão Jorge Viana, ambos do PT.

Para aqueles que ainda duvidam do que estou dizendo, aqui vai um pouco do histórico de Marina Silva e de seus pensamentos:

*Sua primeira filiação político partidária foi no PRC (Partido Comunista Revolucionário), que propagava os ideais marxistas-leninistas dos primórdios do PT. Fundou a CUT no Acre, filiou-se ao PT. Foi Ministra do Meio Ambiente, cortou relações com governadores, empresários, investidores, e com Dilma Rousseff. Saiu do PT, foi para o PV, como nele não conseguiu impor seus ideais e nem virar uma grande expoente, decidiu finalmente criar o seu próprio partido: a Rede Sustentabilidade.

a) Ela levanta a bandeira da ética, da moral e dos bons costumes, mas pensando bem onde ela estava no início do escândalo do Mensalão? No PT! E, o que ela fez quanto a isto? Nada, não entregou seu cargo e nem pediu para sair do partido. Enfim, ela, em nenhum momento, achou que a corrupção de seus colegas fosse motivo relevante para romper com o partido.

b) Em 2003, foi alçada ao cargo de Ministra do Meio Ambiente do governo Lula e, sim, só pediu para sair do partido quando percebeu que iria ser trolada, pela então Ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, na corrida pela vaga presidencial. Ou seja, em outras palavras, ela saiu do partido por interesse próprio e não por divergência ideológica ou por contrariedade ao comportamento corrupto de seus companheiros de legenda.

c) Até mesmo Eduardo Campos, quase teve que comer o pão que o Diabo amassou, ao ver alguns de seus aliados mais importantes o abandonarem, depois de decidir-se por Marina como vice. E, não só isto, a aliança, não se provou tão boa quanto Campos esperava, acabou por fazê-lo perder votos no RJ, em SP, MG e GO.

d) A Aliança com Campos, era apenas transitória, assim como foi com o PV, afinal ela sempre pula fora, quando uma aliança não lhe dá o tão sonhado poder! Em nota oficial, publicada em 26 de junho, a Rede Sustentabilidade deixou claro, que com a homologação do Registro do Partido na Justiça eleitoral, seus militantes (incluindo Marina) vinculados ao PSB, viriam a se transferir para a legenda de origem, sem sanções partidárias.

E, para corroborar a fuga iminente, ela já se encontra inconformada com a possibilidade de ter que assinar uma carta de Compromissos com o PSB.

e) Ela de forma alguma abandonou o Pensamento Petista, muito antes pelo contrário, é uma das mais ferrenhas defensoras e apoiadoras do Decreto 8.243, o que instituiu a Política dos Conselhões Populares, instituindo na prática um Poder Judiciário Paralelo. Para ela, o que importa mesmo é que as ideias da militância passem por cima da democracia representativa constitucionalmente instituída. Aliás, Constituição, pra quê?

f) Ela é contra o Agronegócio. Sim, isto mesmo, durante seu Ministério deixou isto bem claro. Ela deixava de lado projetos de infraestrutura (“esquecia” pedidos de licenças ambientais), fazia de tudo para atrasar empreendimentos públicos e privados, perdeu-se inúmeros investidores.

E, como se não bastasse durante a votação do Código Florestal, uma de suas propostas (ainda bem que não foi adiante), obrigaria os produtores de grãos e carnes deste país a reduzir suas áreas de investimento. Como podemos acreditar que ela quer o melhor para o país, se este mesmo país é totalmente dependente do Agronegócio, posto que é ele que está a nos salvar da falência completa?

e) Alguém já se perguntou, o que diabos é a Rede Sustentabilidade? Pois bem, se o PV, anos atrás surgiu como a vertente politicamente correta e Light/Diet do PT; a Rede Sustentabilidade, nada mais é, do que a versão universitária, politicamente mais organizada e autoritária do MST/MTST.

f) Até 1997, era católica. Agora, pertence a assembleia de Deus. Católica ou Evangélica, nunca abandonou as ideologias marxistas de combate à livre economia, à propriedade privada e ao agronegócio.

g) Nas últimas eleições se declarou Neutra, deixando seus 20 milhões de eleitores sem saber o que fazer. Mas, ela entretanto, soube jogar muito bem, pois declarando-se neutra, ajudou a eleger Dilma!

Se Marina for eleita Presidente e colocar suas garras de fora, como há tanto tempo anseia, poderemos de vez entrar em um Estado Não Democrático, regido por uma presidente sem habilidades de negociação que, possivelmente, nos conduzirá a uma crise política sem precedentes.

Por estas e por outras, se eu fosse uma das órfãs de Eduardo Campos, estaria sim, me sentido num mato sem cachorros. Já que, votar em Marina pensando que alguma coisa mudará, é sim, trocar seis, não por meia dúzia, mas por uma dúzia inteira de xiitas intransigentes!

O ideário da Terceira Via se acabou e com seus órfãos ficaram as incertezas: apoiar Dilma e apostar na manutenção da situação atual; apoiar o PSDB e voltar ao “status quo” anterior ou quem sabe apoiar Marina e entregar o país ao comunismo falido e antidemocrático!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: